Endodontia: tudo que você precisa saber sobre tratamento de canal

20 minutos para ler

Quando falamos de dentista e intervenções em dentes danificados, muita gente sente arrepios só de pensar. Contar com um especialista que cuida de canal dentário pode ajudar.

Diversos pacientes acreditam que o canal dentário é um dos procedimentos odontológicos mais dolorosos que existem. De fato, durante vários anos, ele envolveu um tratamento com dor e muita demora. A boa notícia é que, hoje, a endodontia está em uma fase bem avançada, e a realização de um canal é mais simples do que foi há alguns anos. Além disso, ter a ajuda de um especialista que cuida de canal dentário deixa tudo ainda mais seguro.

Para desmistificar o assunto e trazer informações importantes sobre a endodontia, elaboramos este artigo na forma de um guia completo, que ajudará você a compreender melhor as particularidades envolvendo o tema. Além de entender o conceito de endodontia, você descobrirá como funciona cada etapa do tratamento de canal, em que situações ele é indicado e como evitar o problema.

Bateu a curiosidade? Então, continue a leitura e saiba mais sobre o assunto!

Conheça os diferentes tipos de implantes dentários

O que é a endodontia?

A endodontia é um ramo da odontologia que trata lesões e doenças da polpa e da raiz do dente. Os endodontistas são profissionais capacitados para tratar de problemas internos dos dentes. Popularmente, um indivíduo que trabalha nessa área é o especialista que cuida de canal dentário.

A endodontia é uma área importante não só para a saúde, mas também para a estética, pois é responsável por tratar a estrutura interna do dente, mantendo a saúde e a vitalidade da arcada dentária. 

Se o paciente não der atenção ou não mantiver os cuidados necessários por meio dos tratamentos endodônticos recomendados, além de prejudicar a própria saúde, ele arrisca sofrer com problemas mais sérios, como a extração do dente.

Qual é a relação entre endodontia e o tratamento de cáries?

A endodontia está diretamente relacionada com o tratamento de cáries. O paciente que tem esse problema e não realiza o procedimento adequado se arrisca a sofrer danos mais sérios na saúde bucal — em decorrência disso, surge a necessidade de uma intervenção endodôntica.

Isso acontece porque a cárie pode atingir a polpa dentária (nervo do dente), causando danos significativos. É importante destacar que, em casos mais graves, a falta de tratamento de cárie e do canal pode levar à perda dental, que só poderá ser resolvida por meio de um implante dentário — uma intervenção mais complexa, demorada e invasiva.

Para não chegar a uma situação como essa, o paciente com cáries deve procurar um profissional especializado nessa área. O especialista tem condições de abrir o dente para remover a polpa dentária contaminada e reconstruir a coroa.

Destacamos que a contaminação não acontece só em razão da cárie, mas também pode estar associada a fraturas na região. Como saber se você precisa ir a um endodontista? Será que todo mundo com cáries deve tratar o canal? Ele é considerado uma emergência odontológica?

Geralmente, o seu dentista pode avaliar a cárie e, caso ela esteja em estágio avançado, encaminhá-lo para um endodontista, para a realização do tratamento de canal. 

As emergências odontológicas acontecem quando os pacientes estão sentindo muita dor ou sofrem um trauma significativo na região da boca. Como a dor de dente pode estar associada à cárie em estágio avançado, eventualmente, o problema tem potencial relação com o canal. 

A seguir, explicamos melhor quais são as etapas desse tratamento e tudo o que você precisa saber para se tranquilizar durante o processo. Acompanhe!

Quais são as etapas do tratamento de canal?

A atuação do endodontista é recomendada quando uma lesão ou cárie significativa danifica a polpa do dente. Com a raiz infectada ou inflamada, o indivíduo busca tratamento com o especialista.

O processo inclui até cinco fases, e elas podem variar de um paciente para o outro. Confira, a seguir, que etapas são essas e por que é tão importante buscar o suporte de um profissional com experiência e qualificação adequada para realizar tal procedimento.

Primeiro passo: anestesia e abertura

O primeiro passo do tratamento de canal inclui a anestesia do local e a abertura do dente. A abertura é realizada através da coroa e segue até a câmara da polpa dentária. O canal é feito com anestesia local, por meio de pequenas injeções na gengiva, próximas à base dos dentes.

Alguns dentistas optam pelo uso de pomadas anestésicas, a fim de reduzir a sensação de picada da agulha. Geralmente, a anestesia não é dolorida, mas a impressão pode variar de um paciente para outro.

Segundo passo: remoção do tecido infectado ou inflamado

Após anestesiar o local e proceder com a abertura da coroa, a etapa seguinte consiste na remoção de todo tecido infectado ou inflamado. São usadas limas especiais nessa fase.

Depois de remover por completo toda a inflamação, o canal é modelado para receber o material da restauração. Além disso, é realizado o processo de irrigação, que limpa os canais e remove todos os resíduos.

Terceiro passo: restauração dos canais

Depois da remoção completa da inflamação e da higienização do local, o endodontista realiza a obturação dos canais com o material permanente.

Geralmente, esse processo é realizado com um item chamado guta-percha, que contribui para manter os canais seguros contra infecções e contaminações.

Essa é uma resina vegetal bastante utilizada na odontologia e muito bem-aceita pelos tecidos vivos. Tal substância é bem maleável e biocompatível, apresentando uma boa aderência aos radiculares durante a obturação.

Quarto passo: reconstrução do dente

Após a obturação, se inicia o processo de restauração dentária. Nessa etapa, um material de preenchimento temporário é colocado no topo da guta-percha, com o propósito de vedar a abertura.

Esse item permanece no local até que o dente receba a restauração ou uma coroa, que reproduz um dente natural e é colocada sobre o topo dentário. Em alguns casos, pode ser necessário colocar um pino na raiz, a fim de dar um suporte extra à coroa. A necessidade desse pino deverá ser avaliada pelo endodontista.

Quinto passo: acabamento da coroa

Concluídas todas as etapas anteriores, é dado acabamento à coroa, fixada com cimento específico. A última parte do tratamento de canal é a restauração dentária. Nesse momento, o endodontista preenche o espaço criado em função da retirada de tecido com uma resina, recriando o formato original do dente.

Como você pôde ver, o endodontista realiza um longo processo no tratamento do canal. Além de tratar lesões cariosas profundas, a endodontia também tem a função de corrigir fraturas e traumas dentários, que possam ter causado prejuízos na parte interna do dente.

O tratamento de canal dói?

Se você tem medo de ir ao dentista e, por essa razão, está postergando seu tratamento, temos uma ótima notícia. Em geral, o procedimento de canal não causa dores e é conduzido de maneira tranquila.

Vale a pena procurar profissionais especializados, como os da Odontoclinic, para que seu tratamento aconteça da melhor forma possível e seu sorriso fique encantador. Além disso, existem vários materiais e equipamentos úteis para realizar esse processo de modo indolor, na intenção de acabar com as dores de dente.

Quando é necessário fazer tratamento de canal?

Você está sofrendo com mau hálito? Tem sentido sensibilidade ou dor nos dentes? Está há mais de um ano sem visitar o dentista? Se respondeu “sim” para uma ou mais dessas perguntas, já é o momento de ficar alerta.

A endodontia é indicada em duas situações específicas: traumas ou cáries em estado avançado. Em ambos os casos, o seu dentista vai fazer uma avaliação inicial, requerer exames — caso entenda necessário — e, se identificar danos mais sérios, encaminhar o seu caso para um especialista em endodontia.

Como saber, apenas por meio da análise de sintomas, que você precisa fazer canal? Entre os sintomas mais comuns, destacamos:

  • inchaço na gengiva próxima ao dente;
  • dores constantes no dente;
  • sensibilidade no dente;
  • cárie em estágio avançado.

É importante saber que muitos pacientes que precisam de tratamento de canal não apresentam sintomas e não percebem que estão com cárie — já que, em diversos casos, elas podem estar entre os dentes.

É muito importante fazer o acompanhamento dentário conforme a orientação do seu dentista, além de avaliar os dentes e realizar os exames preventivos. Tudo isso pode evitar o avanço de cáries, reduzindo o risco de problemas mais sérios para a sua saúde.

Quantas consultas são necessárias para realizar o tratamento completo?

O tratamento de canal costuma ser feito em apenas uma sessão, mas, dependendo das particularidades de cada paciente — e no caso de surgimento de problemas —, o dentista pode precisar de mais tempo.

Complicações cirúrgicas como perfuração da raiz, calcificação ou dificuldades anatômicas também podem influenciar no tempo de realização do procedimento. É muito importante buscar um profissional especializado em endodontia e que esteja preparado para resolver qualquer adversidade durante o tratamento.

O que fazer depois do tratamento de canal?

Algumas pessoas acreditam que, realizado o tratamento de canal, aquele dente não terá mais cáries, mas esse é um equívoco que pode prejudicar a saúde do paciente. Mesmo que o dente não tenha mais “vida”, ele pode ser cariado como antes. 

No tratamento de canal, é efetuada a remoção da polpa e a posterior obturação dos canais. Após esse processo, é feita uma restauração, com o propósito de manter a estética do dente e evitar a recontaminação. Se o paciente deixar de higienizar adequadamente a área, a restauração feita para fechar, o dente pode ser cariado novamente — e a bactéria, mais uma vez, pode atingir o restante da estrutura dentária. Confira os principais cuidados a seguir.

Pós-operatório

O primeiro cuidado que o paciente deve ter é com a manutenção e a higiene dos dentes. Restaurados ou não, os hábitos de limpeza devem ser mantidos. Caso você não cuide e haja contaminação, pode ser necessário fazer outro tratamento de canal.

Além disso, esse procedimento consiste em uma cirurgia, então, é importante que o paciente tenha cuidado com a região, evitando o consumo de alimentos muito duros por determinado período.

Também é essencial manter o repouso durante os sete dias seguintes ao procedimento, tomar a medicação recomendada pelo dentista e realizar a higiene oral. Tais cuidados devem ser seguidos à risca. Ainda é válido investir em uma boa escovação após as refeições, usar o fio dental diariamente e fazer consultas periódicas com o seu dentista. 

Assim, você mantém a saúde da boca e previne danos estruturais mais graves. O endodontista poderá orientar melhor os cuidados a serem tomados com base nas necessidades e particularidades de cada paciente.

Consultas de acompanhamento

Visitar o seu dentista semestralmente é importante, independentemente de ter realizado o tratamento de canal. Caso tenha feito seu canal, além de avaliar a saúde dos dentes, o especialista que cuida de canal dentário vai verificar se a restauração está devidamente adaptada.

O grande problema dos pacientes odontológicos mais graves é que eles têm medo de ir ao dentista e sempre esperam surgir a dor para procurar ajuda. O sinal de dor é um alerta de que algo já está errado, por isso, as visitas periódicas são importantes para que o profissional faça um acompanhamento mais próximo e preventivo, evitando que você precise passar por um novo tratamento.

Nessa consulta, é provável que ele também peça exames adicionais, como raio-X do canal tratado. No período de dois anos após o tratamento, você deverá fazer esse exame de forma periódica, para avaliar se houve evolução ou redução da infecção.

O check-up e os exames devem ser feitos periodicamente, para evitar que o paciente tenha que fazer um novo tratamento no dente. Como já destacamos, mesmo que você não sinta dores, pode haver uma contaminação — e você somente saberá disso se consultar o dentista e realizar os exames solicitados por ele.

Quais são os riscos de não tratar canal?

O tratamento de canal é extremamente importante para preservar o dente e solucionar a dor do paciente. Entre as principais consequências da falta de cuidados com a saúde bucal, podemos citar a dor recorrente, a possibilidade de evolução para abscessos, as chances de edema, o surgimento de cistos intraósseos e até a reabsorção óssea.

A falta de cuidados tem potencial de levar a um avanço no quadro, envolvendo infecções que afetam todo o corpo. Além disso, se a situação não for solucionada rapidamente, pode ser necessária a extração do dente. Com essa ação, a infecção é resolvida, mas a perda do dente causa outros problemas, como a má digestão e a migração de outros dentes, caso não seja feito um implante.

Quanto tempo dura o tratamento de canal?

O tratamento costuma durar a vida inteira. Para isso acontecer, é de suma importância manter o acompanhamento odontológico frequente. O surgimento de cáries e lesões pode causar danos e aumentar a necessidade de realização de um novo tratamento.

Para garantir que a sua saúde bucal permaneça em dia, vale a pena procurar um especialista que cuida de canal dentário e que tenha equipamentos de boa qualidade para realizar todos os procedimentos. Uma ótima alternativa é buscar ajuda na Odontoclinic.

Quais são os principais mitos e verdade envolvendo o canal dentário?

Assim como acontece em diversos tratamentos dentários, o canal envolve muitos mitos e verdades. Na área da odontologia, a principal razão para o medo do dentista está justamente associado à percepção incorreta que as pessoas têm desse profissional.

Elencamos, a seguir, alguns dos mitos e verdades envolvendo o tratamento de canal e tudo o que você precisa saber para perder o medo!

endodontia

“Não sinto dor, então, não tenho problema de canal” — MITO

A inflamação na polpa do dente costuma causar dor, mas, em muitos pacientes, isso não acontece. Dessa forma, pode ser que você tenha problema de canal e não sinta absolutamente nada.

É muito importante fazer a consulta preventiva, pois o dentista poderá descobrir qualquer problema antes mesmo que apareçam os sintomas. Quanto antes for descoberta a situação, mais fácil e menos invasivo será o tratamento.

“O tratamento de canal escurece os dentes” — VERDADE, EM PARTES

De fato, o tratamento de canal está associado à mudança no aspecto e na cor dos dentes, mas o surgimento das manchas e a intensidade delas depende de muitos fatores, bem como do material escolhido pelo dentista.

Hoje, existem tratamentos muito modernos e que, em diversos casos, conseguem manter a cor e o aspecto natural dos dentes.

“O dente tratado não voltará a apresentar problemas” — MITO

Se o tratamento não foi feito corretamente, o paciente passou por algum trauma posterior ou se não teve cuidado com a higiene após fazer o canal, pode ser necessário realizar uma nova intervenção.

Para que você não volte a sentir dores em função desse tipo de tratamento, vale a pena procurar especialistas no assunto. Assim, seu procedimento é realizado de forma eficiente e você conta com um especialista que cuida de canal dentário de confiança para consultar.

“O tratamento de canal é um problema sério” — MITO

Mito, porque o tratamento de canal não é o problema, ao contrário, ele é uma solução eficaz para o paciente restaurar e preservar um dente que pode estar comprometido.

O problema mais sério é estar com alguma inflamação e não buscar o suporte de um profissional. Para evitar danos mais graves, a dica já é bem conhecida por todos: escove bem os dentes e use fio dental.

O fio dental é muito importante para a sua saúde bucal, pois ajuda a limpar regiões mais difíceis e evita a produção de placas e tártaros — grandes aliados das bactérias no surgimento das cáries.

Como evitar o tratamento de canal?

Diversos problemas relacionados com a saúde bucal podem ser evitados por meio de alguns cuidados no dia a dia. No caso do tratamento de canal, a prevenção é um ótimo caminho para proteger seus dentes. Confira, a seguir, algumas atitudes simples, mas que contribuem diretamente para melhorar a sua higiene e saúde bucal.

Mantenha uma alimentação saudável

Muitas pessoas não sabem, mas a alimentação saudável é um fator que está diretamente relacionado com a saúde dos dentes e das gengivas.

Uma boa dieta contribui para a sua saúde bucal. A mastigação de itens ricos em fibras, como frutas e vegetais, auxilia no processo de autolimpeza dos dentes. Tais produtos evitam a formação de placas bacterianas, que causam problemas como cáries e gengivite.

Perceba que o problema das cáries também está relacionado à alimentação, e ele costuma ser a principal causa do canal dentário. Alimentar-se de forma saudável é o primeiro passo para evitar a necessidade de um tratamento desse tipo — mas lembre-se que não é apenas isso: alie a alimentação aos demais cuidados que mencionaremos a seguir.

Evite o tabagismo

O cigarro é um dos principais inimigos da saúde da sua boca. A nicotina (composto químico presente no cigarro) adere ao esmalte dos seus dentes, escurecendo-os.

O consumo excessivo desse componente, em conjunto com o alcatrão presente no tabaco, pode levar até mesmo à perda dos dentes, já que cria um ambiente propício para a propagação de bactérias e o acúmulo de tártaro e placa bacteriana.

Com isso, aumentam os riscos do surgimento de cáries, gengivite, periodontite, entre outros problemas. No caso do cigarro, o canal é um efeito “leve” se comparado a todos os outros danos e riscos que ele oferece à saúde.

Cuide da sua higiene bucal

O cuidado com a higiene bucal é um aliado na prevenção de cáries e outros problemas dentários. Lembre-se de escovar os dentes após as refeições e use o fio dental — cuidado mais importante e que acaba sendo deixado de lado por muitas pessoas.

A escovação antes de dormir é fundamental para a saúde da boca, afinal, você vai passar as próximas horas sem ingerir nada. Vale a pena fazer uma limpeza caprichada à noite, utilizando o fio, a escova e o enxaguante bucal. Desse modo, você dorme com os dentes protegidos de qualquer resquício de alimento que favorece o surgimento de cáries. 

Visite o dentista regularmente

Como já mencionamos, visitar o seu dentista semestralmente é essencial. Se você tiver feito um tratamento, além de avaliar a saúde dos dentes, o especialista que cuida de canal dentário vai verificar se a restauração feita está corretamente adaptada.

As visitas periódicas são importantes para que o especialista faça um acompanhamento mais próximo do seu caso, atuando de forma preventiva e evitando que surjam problemas graves.

Consuma alimentos ricos em cálcio 

O cálcio é um elemento químico fundamental para a proteção e o fortalecimento dos ossos e dos dentes. Tal substância reforça a estrutura dentária e aumenta a proteção dos dentes contra as cáries

Desse modo, o consumo de alimentos ricos em cálcio favorece a saúde da sua boca. Laticínios, vegetais verde-escuros, amendoim, nozes e semente de linhaça são excelentes alternativas para uma alimentação rica e capaz de melhorar a proteção dos dentes. 

Evite traumas dentários

Outro fator de risco para o surgimento de problemas de canal é por conta de traumas dentários. Isso ocorre frequentemente em casos de esportes intensos e que envolvem choques ou algum tipo de impacto. Antes de praticar qualquer atividade, é importante contar com todos os equipamentos de proteção adequados.

A ocorrência de traumas de outras naturezas também pode levar ao tratamento de canal, principalmente quando regiões mais profundas sofrem alguma lesão. Vale adotar um cuidado especial com as crianças, principalmente em atividades que envolvem o risco de alguma queda. Equipamentos de proteção, como um capacete adequado, já reduzem os riscos de ocorrência de trauma. 

Como escolher um endodontista?

Essa é uma dúvida muito comum. Os pacientes costumam ter dificuldades para encontrar, sozinhos, um especialista que cuida de canal dentário e transmita segurança. Por meio de algumas boas práticas, é possível encontrar profissionais de confiança e realizar seu tratamento com tranquilidade.

Peça indicações

A melhor forma de conhecer um bom endodontista é pedindo indicações para o seu dentista de confiança ou para conhecidos. Ao verificarem a necessidade de um tratamento de canal, muitos dentistas já sugerem profissionais da sua rede de contatos, mas outra possibilidade é procurar os profissionais da área na Internet.

Pesquise na Internet

Utilizar os canais digitais pode ser uma excelente forma de encontrar bons endodontistas. Vale conferir os principais profissionais da sua região, as páginas deles na Internet e a experiência de pacientes antigos.

Hoje, é possível ter acesso a informações e referências nas redes. Se você encontrar uma alternativa interessante, faça o agendamento de uma consulta e converse pessoalmente com o especialista que cuida de canal dentário.

Verifique as especializações do profissional

Lembre-se que é importante avaliar as especializações do endodontista, a estrutura do consultório e a qualidade do atendimento. Ao comparecer ao consultório, verifique se o local está limpo e se os materiais usados são descartáveis e bem higienizados. Se for possível, aproveite para conversar com outras pessoas que estiverem aguardando atendimento sobre as referências e experiências com aquele dentista.

Como você pôde ver, a endodontia é uma área importante na odontologia — não só para a saúde, mas também para a estética, já que é responsável por tratar a estrutura interna dos dentes.

Se o paciente odontológico não tiver os cuidados necessários com sua saúde bucal, ele corre o risco de sofrer com adversidades mais sérias. Problemas graves e que não são tratados a tempo podem levar à perda do dente, o que gera desconforto e afeta a autoestima do paciente. 

Siga as nossas dicas, cuide da sua saúde bucal, consulte um especialista que cuida de canal dentário com frequência e mantenha os cuidados diários com a higiene da sua boca.

Gostou do nosso artigo? Então, aproveite sua visita ao blog e descubra como saber se você precisa fazer tratamento de canal!

agendamento
Posts relacionados

Deixe um comentário