Perda óssea: entenda melhor sobre o assunto!

Venha tirar suas dúvidas sobre perda óssea, um quadro ligado a vários problemas bucais que precisa ser contido o quanto antes

A saúde dos dentes e o aspecto do sorriso dependem bastante dos tecidos que sustentam a dentição. O osso alveolar, que envolve a raiz dos dentes, tem grande importância nesse conjunto, e é por isso que a perda óssea precisa ser tratada com muita atenção.

Ela acontece quando ocorre uma reabsorção do osso que sustenta os dentes. Em casos mais graves, existe o risco de perder o elemento dentário. Sendo assim, é fundamental observar os sintomas, identificá-los ainda no começo e procurar a ajuda de um dentista.

Preparamos este artigo para explicar o que é a perda óssea, os sintomas que desencadeia, suas principais causas, como evitar o problema e de que maneira ele pode ser tratado. Fique por dentro do assunto, que é essencial para um sorriso bonito e saudável!

O que é perda óssea?

A perda óssea acontece quando ocorre uma reabsorção do osso alveolar. Ele fica desgastado, mais fino e mais baixo, o que traz prejuízos para os demais tecidos e também para os dentes.

O fato é que, para que os dentes se mantenham fixos na boca, eles são envolvidos pelo periodonto. Essa estrutura é composta por diferentes tecidos, que mantêm os dentes presos na arcada dentária e atuam como uma espécie de amortecedor natural, garantindo conforto na hora de mastigar.

Um dos tecidos que compõem o periodonto é o osso alveolar. Nele, fica presa a raiz dentária, e por isso é fundamental que tenha uma boa saúde e qualidade. Só assim proporciona a fixação adequada da dentição.

A preocupação ocorre quando esse osso é acometido por problemas, que se originam especificamente na cavidade bucal ou atingem todo o organismo. Vamos tratar esse tópico em detalhes ao longo do texto, continue a leitura!

Quais são os sintomas?

A perda óssea pode ser identificada por meio de sintomas vistos a olho nu ou pelos desconfortos que o paciente começa a manifestar. Alguns indícios de que esse problema está em curso são:

  • percepção de movimentação dos dentes;
  • sensibilidade nos dentes;
  • dor de dente;
  • sangramento gengival;
  • mau hálito;
  • retração da gengiva;
  • apinhamento (alterações no posicionamento dentário);
  • formação de espaços entre os dentes.

A pessoa com esse problema tende a sentir um pouco mais de dificuldade para mastigar porque, com a movimentação dos dentes, pode perder um pouco da força na região bucal. Vale dizer que essa condição é uma das causas da perda de dentes na terceira idade.

Afinal, é mais comum que a perda óssea aconteça acompanhando o processo natural de envelhecimento. Mesmo assim, existem outros fatores que podem levar a esse quadro, inclusive em pessoas mais jovens.

Quais são as principais causas de perda óssea?

Como a gente disse, existem diversos fatores por trás da perda óssea, mas o principal deles é a periodontite. Trata-se de uma inflamação que pode ser infecciosa e que ocorre nos tecidos periodontais, em geral, como agravamento de uma gengivite que não foi bem tratada.

Na manifestação de gengivite e periodontite, é fundamental procurar um dentista para já controlar esse quadro e evitar suas complicações. Alguns sinais dessas doenças são:

  • inchaço e vermelhidão gengival;
  • gengiva sangrando;
  • retração da gengiva;
  • sensibilidade nos dentes;
  • mau hálito;
  • dentes mais alongados;
  • espaços entre a gengiva e os dentes.

Fica claro, portanto, que a má higiene da boca e seus tecidos está entre as principais causas de perda óssea. Isso porque favorece a proliferação de bactérias que causam infecções ou agravam possíveis lesões existentes na cavidade oral, como aftas e pequenos ferimentos.

Em casos mais raros, a perda óssea pode ser decorrente de problemas sistêmicos, como o diabetes. A osteoporose também ajuda a favorecer a sua manifestação, quando associada a doenças como a gengivite e a periodontite.

Quando há um esforço muito grande ou sobrecarga dos tecidos periodontais, também existe o risco de a reabsorção do osso acontecer. É o caso, por exemplo, de alterações na mordida e outros problemas ortodônticos mais complexos, bem como traumas e bruxismo.

Outro fator é o avanço da idade, quando existe uma tendência natural para a perda óssea. Sendo assim, o processo de envelhecimento também está ligado ao problema. Foi por isso que dissemos que isso costuma ser um dos motivos para a perda de dentes em pessoas idosas.

As deficiências nutricionais também podem acarretar a má qualidade do osso que sustenta os dentes. Portanto, uma alimentação desequilibrada leva à perda óssea, em especial quando a dieta é pobre em cálcio e vitamina D. Nesse caso, uma dieta nutritiva e check-ups médicos frequentes ajudam demais!

Quais são as consequências da perda óssea?

A falta de tratamento traz diversos prejuízos para a saúde e a estética bucal. Vale lembrar que o problema pode acometer pessoas de todas as idades pela variedade de causas. Logo, desconfie de mudanças no aspecto da arcada dentária para investigar mais a fundo e evitar maiores complicações.

Sem um diagnóstico correto, a perda óssea pode resultar nos seguintes quadros.

Mobilidade dentária

É esperado que, com a doença, o paciente tenha a impressão de que ficou com os dentes mais alongados. Isso acontece porque a gengiva acaba retraindo e expondo as raízes. Sem o suporte desse tecido, que passa a ser limitado, os dentes ficam suscetíveis à movimentação.

A mobilidade, por sua vez, favorece o deslocamento dos dentes, que podem mudar de posição com o passar do tempo. Isso traz, nos casos mais avançados, a queda de alguns.

Hipersensibilidade

Resultado das raízes expostas e do movimentar constante, esse problema faz com que a pessoa sinta muito desconforto durante as refeições e até ao beber certos líquidos. É possível que passe a limitar seus hábitos alimentares para evitar dores, comprometendo a qualidade de vida.

Alterações na mordida e na fala

Com a perda óssea e consequente retração da gengiva, os dentes têm mais espaço livre para deslizar. Isso faz com que se sobreponham ou fiquem deslocados em diferentes ângulos. Essas alterações afetam a mordida tanto no repouso quanto no processo de mastigação de alimentos.

O paciente também fica com uma sensação estranha na boca, o que impacta o modo como se comunica. Ele pode ter a percepção de que vai machucar a região ou até perder um dente. Como resultado, sua fala fica contida ou até mesmo incompreensível.

Problemas estéticos e de autoestima

O avanço do quadro vai afetando a autoconfiança do paciente. Afinal, o sorriso é uma parte importante na imagem de qualquer indivíduo e, quando sofre alguma alteração, pode se tornar fonte de angústia.

A perda óssea pode levar ao apinhamento, retração dos lábios (aspecto envelhecido) e queda de dentes, ambas condições prejudiciais para a autoestima. Além do problema estético, ainda promove situações constrangedores por conta de mau hálito.

Por que buscar ajuda quanto antes?

A busca de suporte serve para conter os sintomas e aumentar as chances de reversão do quadro. Muitas vezes, quando o desgaste da estrutura óssea já está muito avançado, fica difícil restaurar os tecidos de modo que retomem sua posição inicial.

O tipo de abordagem de tratamento vai depender da gravidade do caso. A avaliação precisa pode demandar uma radiografia para observar a condição do tecido ósseo. Então, mesmo que perceba alguns sinais, você precisa contar com a análise de um especialista.

Prevenir sempre será o melhor caminho para evitar procedimentos complexos. Ao se consultar regularmente com profissionais da odontologia, por exemplo, você terá as melhores orientações para cuidar da saúde bucal e minimizar os riscos para diversas doenças.

perda óssea

Como evitar esse problema?

Como a perda óssea está relacionada com o equilíbrio da saúde bucal, uma das principais formas de evitar esse problema é por meio da higienização adequada. Assim, eliminamos os resíduos de alimento e prevenimos a formação da placa bacteriana.

Isso é fundamental porque a placa é a causadora do tártaro, da gengivite e da periodontite. Dessa forma, é preciso escovar os dentes após cada refeição e usar o fio dental todos os dias, a fim de garantir que as bactérias não se proliferem.

Também é muito importante fazer o acompanhamento médico, para garantir que a saúde, como um todo, esteja em equilíbrio. Afinal, explicamos que problemas sistêmicos, além de deficiências nutricionais, podem levar à perda óssea.

Mais uma medida preventiva é tratar condições como o bruxismo, as alterações na mordida e outros problemas ortodônticos. Assim, evitamos a sobrecarga nos tecidos periodontais, garantido a adequação da força mastigatória e o encaixe correto das arcadas dentárias.

Tudo isso precisa ser complementado pelo acompanhamento com um bom dentista, que vai ajudar na adoção de medidas preventivas para que inflamações e infecções não se manifestem. O profissional também identifica fatores de risco e os primeiros indícios de problemas, interferindo precocemente para que não se agravem. Então, agende visitas a cada 4 meses, em média, para garantir que está tudo bem.

Quais são os possíveis tratamentos?

Existe tratamento para perda óssea, e a técnica que será utilizada depende da gravidade do problema. A princípio, se houver inflamações e infecções, elas devem ser controladas. Ainda, é feita a higienização da área caso exista a presença de tártaro ou placa bacteriana.

Quando há uma perda sutil do osso, é possível fazer o tratamento com medicações utilizadas, por exemplo, para casos de osteoporose. A reposição nutricional em caso de deficiências é indispensável para desacelerar o processo de perda.

Outra medida importante é tratar os quadros que estão levando à perda óssea de maneira secundária. Como explicamos, eles incluem o bruxismo, as alterações na mordida, os problemas ortodônticos e, em alguns casos, também o diabetes e a osteoporose.

Porém, quando há uma perda significativa do osso, o tratamento mais recomendado é o enxerto ósseo. Nele, uma pequena porção de osso natural ou sintético é posicionada no local que precisa de intervenção, e o próprio organismo se encarrega de absorver esse material, agregando ao osso do paciente.

Embora a perda óssea tenha tratamento, a melhor medida ainda é prevenir esse problema. Por isso, cuide bem da sua saúde bucal e orgânica e faça o acompanhamento periódico com um bom dentista. Ele vai dar suporte necessário e identificar problemas de maneira precoce para evitar complicações maiores.

Gostou da discussão e acredita que ela pode ser útil a mais pessoas? Compartilhe o artigo nas redes sociais e ajude a espalhar informação sobre saúde!

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 Comentários

Agende sua avaliação

Materiais Grátis

Posts relacionados

Inscreva-se para receber novidades

O que você procura?
Últimas publicações
O atestado odontológico é válido para abonar faltas? Quantos dias? E horas? Esclareça suas dúvidas nesse post!
Feridas no céu da boca? Leia o post para saber o que pode ser, quais são as principais causas e o que fazer!
Dente infeccionado ou inflamado? O que fazer se o dente estiver inflamado? Leia o post e tire suas dúvidas!