Conheça maneira certa de fazer a higiene bucal

17 minutos para ler

A prevenção é sempre a melhor alternativa praticamente para tudo, e quando se trata dos dentes não é diferente. Isso porque realizar uma higiene bucal adequada é a principal recomendação para evitar a proliferação de bactérias em nossa boca.

Os problemas bucais mais comuns se manifestam por causa da escovação inadequada, mas também não adianta apenas “esfregar” a escova nos dentes. Essa higiene precisa ser completa e realizada do jeito certo para ter a eficiência que esperamos.

Embora seja um hábito que devemos cultivar todos os dias, as dúvidas sobre como realizá-la são muito frequentes, e foi pensando nisso que nós preparamos este guia. Você vai encontrar todas as informações que precisa para cuidar dos seus dentes da melhor forma e garantir que eles estejam sempre saudáveis e bonitos. Vamos começar? Boa leitura!

Qual a importância da higiene bucal?

Toda vez que nos alimentamos ou ingerimos alguma bebida, resíduos permanecem em nossa boca. Nem sempre eles são visíveis, mas suas partículas estão ali, e elas se depositam sobre o esmalte dentário contribuindo para a formação da placa.

Também chamada de biofilme, a placa bacteriana serve como alimento para bactérias, por isso ela recebe esse nome. Os microrganismos estão naturalmente presentes na cavidade bucal, mas quando a higienização não é realizada do jeito certo eles se proliferam em excesso.

As bactérias nocivas aumentam e, enquanto elas consomem os resíduos de alimento, liberam substâncias ácidas. Elas são capazes de deteriorar o esmalte dentário dando início ao processo de formação das cáries, além de desencadear outras complicações.

A placa bacteriana não se solta de forma espontânea dos dentes. Também não adianta fazer bochechos com água, porque somente resíduos maiores de alimento é que serão eliminados assim. Para remover a placa é necessário um processo completo, daí a importância de realizar a higiene bucal.

Ao higienizar a nossa dentição são executadas diversas ações que vão deixar a boca realmente limpa. Escovar os dentes é apenas uma delas. Também é preciso higienizar a língua, usar o fio dental corretamente e fazer a limpeza de dispositivos bucais, como aparelhos e próteses.

Sendo assim, a higiene bucal é importante porque é por meio dela que removemos todos os restos de alimentos e partículas, que tornam a boca um ambiente perfeito para proliferação de bactérias nocivas. Dessa forma mantemos o equilíbrio da saúde bucal e garantimos dentes mais bonitos.

Quais são os benefícios dessa higienização?

A prevenção das cáries é o benefício mais conhecido, ou, pelo menos, o mais popular, que conseguimos alcançar ao realizar uma boa higiene bucal. É verdade que esse é um aspecto muito importante, já que as cáries podem levar à perda de um dente, mas não é o único motivo pelo qual devemos realizar a higienização.

Existem vários outros impactos positivos que ela proporciona, e eles envolvem tanto a saúde bucal quanto a beleza do nosso sorriso e até mesmo o equilíbrio da saúde orgânica. A seguir explicamos com mais detalhes cada um desses aspectos.

Equilíbrio da saúde bucal

Você viu que quando resíduos de alimentos se acumulam na boca as bactérias nocivas se proliferam e liberam substâncias que agridem os nossos dentes. Porém, além desse impacto negativo elas desencadeiam outras reações no organismo.

O sistema imunológico, na tentativa de combater esses micro-organismos, estimula inflamações, e é assim que acontece a gengivite. Esse quadro, quando não tratado, evolui para a periodontite, uma doença muito grave que atinge todos os tecidos que sustentam os dentes.

A higiene bucal previne tudo isso e também garante que o pH da boca esteja bem equilibrado. Isso é fundamental para manter suas proteções naturais, não causar a desmineralização do esmalte e deixar o hálito mais agradável.

O fato de não termos bactérias prejudiciais se proliferando em nossa boca é uma grande prevenção, que vai manter o equilíbrio ideal para que os tecidos bucais e a dentição estejam sempre saudáveis.

Valorização estética do sorriso

Você sabia que o tártaro se forma a partir do acúmulo da placa bacteriana? Também conhecido como cálculo dental, ele consiste na placa que solidificou por causa do contato com os minerais presentes na saliva, e também com substâncias que ingerimos.

O tártaro geralmente se forma entre os dentes e na linha da gengiva. Tem uma tonalidade amarelada ou castanha, contrastando com o esmalte dentário e deixando a impressão de que a boca está suja. Quando fazemos a higiene bucal do jeito certo, evitamos que isso aconteça.

Também é por meio dela que eliminamos partículas de pigmentos que se depositam no esmalte dentário. Ele tem uma certa porosidade, então, quando comemos ou bebemos algo que tenha corante, um pouco dessa substância é absorvida pela camada externa dos dentes, promovendo a alteração da sua tonalidade a formação de manchas.

Prevenção de problemas orgânicos

As bactérias que se proliferam na cavidade bucal não ficam limitadas somente a esse espaço. Quando existe uma gengivite, tártaro ou periodontite em curso, por exemplo, os micro-organismos que colonizaram essas lesões podem invadir o organismo.

Eles conseguem penetrar a corrente sanguínea e alcançam órgãos vitais, desencadeando complicações sérias de saúde. Podem se alojar no coração causando inflamações no músculo cardíaco (endocardite). Também podem migrar para os pulmões e causar pneumonia. Por isso, fazer a higiene bucal é uma forma de cuidar da saúde orgânica.

Como fazer a escovação corretamente?

Lembra que falamos na introdução que não basta simplesmente “esfregar” a escova nos dentes? Para que você tenha uma boca limpa de verdade é importante fazer a higiene bucal completa, com os produtos certos e na frequência mais adequada.

Cada detalhe faz a diferença para alcançar um resultado melhor. Então, nos tópicos a seguir você vai aprender como fazer uma excelente escovação e realmente eliminar todos os resíduos da sua boca.

Frequência adequada

Quando tomamos café da manhã e não escovamos os dentes a placa bacteriana começa a se formar. Então chega a hora do almoço e fazemos a nossa refeição; mais um pouco de placa bacteriana se formando. E esse processo continua quando comemos um petisco, tomamos um cafezinho, e assim por diante.

É por isso que escovar os dentes duas vezes por dia não é suficiente. Essa frequência é tida como mínima, mas o ideal é que a escovação seja feita sempre depois que comemos alguma coisa, porém, não imediatamente após terminarmos de comer.

O correto é esperar cerca de meia hora para fazer a escovação, porque assim que terminamos de nos alimentar o pH da boca está mais ácido. Aguardar esses minutos permite à saliva agir, reequilibrando o pH. Assim, preservamos a microbiota bucal e prevenimos a ação dos ácidos sobre o esmalte dentário.

Técnica de escovação

Um detalhe muito importante sobre a escovação dos dentes é que ela não exige força. A placa bacteriana não apresenta uma resistência tão grande, se soltando facilmente com movimentos delicados e suaves. Não é preciso exagerar.

Quando colocamos força demais fazemos muito atrito na superfície dos dentes. Com o tempo, ele vai perdendo tecido, sofrendo realmente um desgaste. Além disso, causamos agressões nas gengivas desencadeando a sua retratação e, consequentemente, a sensibilidade.

Sobre a posição da escova ela varia de acordo com a região que está sendo escovada. Isso porque devemos acompanhar o formato dos dentes. Veja a seguir.

Dentes do fundo (molares): para escovar a coroa dos molares, ou seja, sua parte de cima, posicionamos a escova horizontalmente fazendo movimentos de vai e vem.

Dentes da frente (incisivos): para escovar atrás dos incisivos, tanto superiores quanto inferiores, posicione a escova a 45° e faça movimentos de vai e vem.

Face externa dos dentes: a parte que fica voltada para o lado de fora da boca deve ser escovada fazendo movimentos circulares, tanto nos dentes do fundo quanto nos da frente.

Face interna dos molares: a parte em contato com a língua pode ser escovada com movimentos de vai e vem, ou “varrendo” da gengiva para a ponta do dente.

Limpeza da língua

A língua participa do processo de mastigação conduzindo os alimentos de um lado para o outro da boca. Mantendo contato direto com eles ela também acumula resíduos, portanto, a higiene bucal não está completa se esse órgão não for escovado.

Podemos fazer a limpeza da língua usando a própria escova de dente. Se preferir essa técnica, primeiro elimine toda a espuma do creme dental, depois, coloque a língua para fora da boca e faça movimentos como se estivesse varrendo a superfície dela, sempre puxando do fundo para a ponta.

Não é recomendado fazer movimentos de vai e vem porque dessa forma empurramos os resíduos para o fundo da boca, podendo chegar à garganta e ser engolidos, junto com as bactérias. Além disso, essa movimentação pode causar ânsia de vômito.

O limpador de língua é muito bem-vindo. Esse dispositivo tem um formato anatômico que se encaixa com perfeição e permite puxar os resíduos com delicadeza. Para utilizar também é necessário colocar a língua para fora da boca e trazer os resíduos do fundo até a ponta.

Escolha da escova e creme dental

Os produtos que usamos influenciam a qualidade da escovação. Por isso, é fundamental ter cuidado na hora de escolher a escova e o creme dental que você vai utilizar. São muitos produtos no mercado, daí a importância de ter ainda mais atenção com as características deles para não errar na escolha.

A escova ideal

Em termos gerais, a escova de dente que apresenta melhores resultados é aquela com cerdas retas. Essa característica é importante para garantir uma limpeza homogênea da superfície do esmalte. Também é recomendado que elas sejam macias ou ultramacias.

Esse tipo de cerda realiza uma higienização mais delicada, não causa muito atrito nos dentes, como as cerdas médias ou duras, e também não lesiona as gengivas. Portanto, previne a perda de esmalte, que causa sensibilidade, e a retração gengival.

Os tufos mais densos são preferíveis porque eles concentram uma quantidade maior de cerdas. Dessa forma, a área de contato delas com o dente também é maior, e isso garante uma higienização ainda mais eficaz.

Evite aquelas com cerdas irregulares ou que tenham partes emborrachadas entre os tufos, Cabeças arredondadas ou triangulares e pequenas alcançam mais facilmente as áreas escondidas da boca. Os cabos anatômicos e emborrachados favorecem a pegada e dão firmeza ao movimento.

Casos especiais

No caso das crianças, o ideal é que elas usem uma escova de dente apropriada para sua idade. Quem usa aparelho encontre escovas ortodônticas no mercado, que higienizam mais facilmente os braquetes. Inclusive, existem aquelas interdentais para limpar entre eles.

As escovas com cerdas médias ou duras são mais recomendadas para fazer a higienização de próteses. Por isso, em caso de dúvida, o ideal é consultar o dentista da sua confiança. Outra opção é a escova de dente elétrica.

Ela é mais indicada para pessoas que têm algum tipo de limitação motora, uma vez que não conseguem realizar os movimentos adequados para fazer uma boa higiene bucal. Para quem não se enquadra nesse grupo esse produto não precisa ser a primeira opção. Uma escova tradicional é suficiente.

O creme mais indicado

Uma das principais características de uma boa pasta de dente é ser enriquecida com flúor, porque esse ingrediente contribui com a mineralização e proteção do esmalte dentário contra cáries. Pode ser gel ou creme, dependendo da preferência de cada um.

As crianças devem usar cremes dentais fabricados especificamente para sua idade. Eles contêm uma quantidade especial de flúor para evitar a ingestão excessiva desse mineral, prevenindo os casos de fluorose dentária.

Prefira evitar os cremes com ação branqueadora porque eles são abrasivos e, se usados diariamente, literalmente lixam o esmalte dentário, levando a sua perda e consequente sensibilidade. O ideal é que esse tipo de produto seja utilizado apenas com a recomendação do dentista.

Como passar fio dental corretamente?

A higiene bucal não está completa sem uso do fio porque ele limpa entre os dentes e a região subgengival, onde as cerdas da escova não conseguem alcançar. Mas esse produto deve ser usado do jeito certo para realmente apresentar eficácia e não lesionar a gengiva.

Técnicas para passar fio

Comece destacando cerca de 40 cm de fio dental. Enrole uma parte maior em um dos dedos indicadores e deixe uma parte menor enrolada no outro. Insira delicadamente o fio dental deslizando por entre os dentes.

Faça movimentos de vai e vem abraçando um dente e em seguida o outro. Gentilmente, insira também um pouco abaixo da gengiva. Depois, remova o fio dental deslizando para cima, sem puxar muito rápido ou com força.

Enrole esse pedaço que foi usado no dedo que está com menos fio para disponibilizar uma porção limpa para os próximos dentes. Repita o processo até que todos tenham sido higienizados. E não se esqueça de passar também no último molar, atrás dele.

Frequência

Não é necessário usar o fio dental todas as vezes que você for escovar os dentes. Essa faxina pode ser realizada no final do dia, na última escovação. Dessa forma garantimos a eliminação dos resíduos, mas sem sobrecarregar a gengiva, porque o uso excessivo ou errado do fio também pode causar lesões nela e sua retração.

Fio x fita

Assim como acontece com a escova e o creme dental você vai encontrar mais de uma opção desse produto no mercado. Existe o fio, composto por vários filamentos que formam uma espécie de corda bem fininha. Há também a fita dental, que tem o formato realmente de uma fita, mais largo e achatado.

Para escolher entre um ou outro considere o desempenho desse produto na sua dentição. Algumas pessoas têm dentes mais próximos ou mais distantes, assim, um produto pode ser mais confortável do que o outro dependendo dessas características.

Existe, ainda, o fio dental do tipo superfloss, que contém partes mais largas, como se fossem uma espuma, para limpar entre bráquetes ou dentes muito afastados. Para complementar a lista, temos o fio dental com haste, que facilita passar o fio por baixo dos bráquetes, no caso de quem usa aparelho ortodôntico.

Quando usar enxaguante bucal?

Existem duas versões de enxaguante bucal no mercado. Uma delas é o produto comum com ação cosmética. Ele ajuda a controlar as bactérias e deixa o hálito fresco, porém, não tem ação terapêutica, então, não trata nem previne de forma direta as doenças bucais.

A outra opção é o enxaguante bucal terapêutico. Ele pode ser recomendado para tratar inflamações como a gengivite, ou ser enriquecido com minerais para favorecer a remineralização do esmalte dentário.

O enxaguante bucal comum pode ser utilizado uma vez por dia seguindo rigorosamente a instrução do fabricante. É importante evitar as fórmulas que contêm álcool porque ressecam uma rosa bucal. Já os enxaguantes terapêuticos apenas devem ser utilizados com a receita do dentista porque podem acarretar efeitos colaterais, como o escurecimento do esmalte e alterações no paladar.

Lembrando que como enxaguante bucal comum tem uma ação cosmética ele não é um produto indispensável para fazer a higiene bucal. Ajuda a complementar a sensação de refrescância, mas o mais importante é escolher uma boa escova, usar um creme dental com flúor e o fio.

Quais os riscos da má higienização?

Quando não fazemos a higiene bucal na frequência correta, ou do jeito certo, a saúde da boca de um modo geral fica desequilibrada. Afinal, como explicamos, essa prática é o que vai eliminar as bactérias, resíduos de alimento e controlar o pH bucal.

Por isso, os riscos da má higienização envolvem a maior suscetibilidade para doenças bucais, prejuízos para estética do sorriso e ameaças para a saúde orgânica. Veja a seguir algumas consequências negativas de negligenciar essa limpeza.

Mau hálito

O mau hálito se torna persistente porque os resíduos de alimentos na boca sofrem um processo de fermentação, então, ficam mal cheirosos. Além disso, o desequilíbrio do pH da boca também causa esse odor ruim.

Cáries

Já falamos sobre elas, mas é importante ressaltar que a higiene bucal mal realizada resulta em cáries. Elas podem se manifestar tanto na coroa, que é a parte visível do dente, quanto na região abaixo da gengiva e até mesmo na raiz dentária. Causam dor de dente, perda de esmalte e escurecimento.

Inflamações infecções

Quadros de gengivite e periodontite se manifestam principalmente por causa de uma higienização inadequada. O organismo reage à presença das bactérias causando sintomas como sangramento, inchaço e acúmulo de pus.

Perda do dente

O dente pode ser perdido por causa de diversos problemas bucais. A cárie é um deles, quando ela se torna muito extensa. Também pode ocorrer uma pulpite, que leva à morte do dente; e a própria periodontite causa essa complicação porque faz o elemento dentário se soltar da boca.

Quando devo ir ao dentista?

A recomendação geral é para que as visitas ao dentista aconteçam a cada seis meses, no entanto, para algumas pessoas esse tempo é longo demais. Existem casos em que esse tempo precisa ser reduzido para quatro meses.

Sendo assim, o ideal é agendar a consulta odontológica para passar pela avaliação com o especialista e conferir a sua necessidade. Ele vai indicar se o retorno a cada 6 meses é suficiente ou se existe a necessidade de um acompanhamento mais frequente.

Lembrando que as consultas odontológicas devem acontecer para pessoas de todas as faixas etárias. Mesmo os bebês precisam passar por consultas com odontopediatra, para acompanhar o desenvolvimento da sua dentição e realizar as medidas preventivas o quanto antes.

Para pessoas idosas, ir ao dentista é ainda mais importante, já que com o passar da idade há um aumento da suscetibilidade para desenvolver problemas bucais. Isso acontece por causa de problemas na produção da saliva, doenças sistêmicas como o diabetes, o próprio processo de envelhecimento e a maior dificuldade para fazer a higiene bucal.

As consultas periódicas com o dentista são importantes porque ele complementa os cuidados adotados em casa. Mesmo caprichando na escovação, algumas áreas são inacessíveis, podendo esconder resíduos de alimento e bactérias. Os instrumentos profissionais são indispensáveis para cuidar dessas áreas.

Fazer a higiene bucal na frequência certa e do modo correto é muito importante para garantir o equilíbrio da saúde dos seus dentes. Você viu que isso também preserva a saúde orgânica e garante um sorriso bonito. Complementando esses cuidados com as visitas periódicas ao dentista você terá uma dentição perfeita.

Gostou dessas informações? Podemos compartilhar mais conteúdos interessantes com você. Basta assinar a nossa newsletter e enviaremos para o seu e-mail!

agendamento
Posts relacionados

Deixe um comentário