Flúor dental: entenda a importância para saúde bucal

Escovar os dentes com pasta dental é fundamental para a saúde bucal. A maioria das pessoas sabe que um dos principais componentes deste creme é o flúor. Mas você sabe o que é, quais os benefícios, e como atua o flúor dental? Sabe se ele possui algum malefício?

Se tiver curiosidade em conhecer mais sobre essa substância, leia este texto e saiba tudo. Você vai entender sobre a importância do flúor e ficar mais atento para não relaxar nos cuidados com seus dentes. Afinal, além da beleza do seu sorriso, os cuidados bucais também atuam na saúde do seu corpo. Vem com a gente!

O que é o flúor?

O flúor é um mineral facilmente encontrado na natureza. Dentre os elementos químicos, ele está presente na tabela periódica com a sigla F e faz parte da família dos halogênios (ou grupo 17). É o elemento mais abundante da família a que pertence. No seu grupo estão presentes também o cloro, o iodo e outros.

Os halogênios são não metais de alta eletronegatividade, que é a tendência em atrair elétrons. O flúor é o elemento de sua família com esta característica mais elevada. Por esse motivo ele provoca ligação iônica sob a forma de fluoreto e se junta facilmente com o cálcio. Sabemos que nossos dentes e ossos são formados fundamentalmente de cálcio.

Como o flúor dental é utilizado?

O flúor pode ser sintetizado em laboratório e utilizado de diversas formas. O químico Henri Moissan foi o primeiro que conseguiu isolar este componente em 1886, e isso lhe rendeu um Prêmio Nobel em 1906.

A função mais nobre da substância é ser utilizada para a limpeza dos dentes quando incorporado à pasta dental e outros produtos. Sua aplicação é recomentada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), além de outros órgãos competentes como o Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP) e a Organização Pan Americana de saúde.

Há mais de 60 anos o flúor possui a finalidade relacionada à saúde buccal, especialmente depois que estudos descobriram que ele atua combatendo as cáries. A cárie é uma corrosão dos dentes causada por bactérias. Ela enfraquece o dente, provocando dor, e se não tratada pode acarretar sua perda.

O flúor odontológico também pode ser aplicado na água

A substância também pode ser incorporada à água no abastecimento das companhias de saneamento. Alguns países adotam esta prática para ajudar no trato dentário. Ela é chamada de fluoretação.

A água contendo o flúor para os dentes pode ser ingerida e após absorvida retorna para a boca através da saliva e do fluido gengival. Também pode atuar diretamente na boca através de bochechos durante a escovação.

Os primeiros países a adotarem a fluoretação foram os EUA e Canadá, por volta de 1945. No Brasil, essa técnica começou a ser utilizada em 1953 e tornou-se obrigatória em 1974, depois que estudos comprovaram a diminuição de cáries na população. As concentrações do flúor odontológico na água variam de acordo com o país e a região. A dose segura recomendada por alguns estudos é de 0,6 a 0,8 mg por litro.

Quais são os benefícios do flúor dental?

Ele fortalece o esmalte dos dentes, que é a camada mais externa e responsável pela sua proteção. O esmalte é formado pelo mineral chamado fosfato de cálcio, sendo bastante duro e resistente, porém substâncias nocivas e a falta de cuidados podem torná-lo mais mole. Essas substâncias são as bactérias, que provém dos alimentos e tornam o PH da boca mais ácido.

O flúor para os dentes atua impedindo a formação de placas bacterianas, responsáveis pela criação de cáries. Como a placa também é responsável pela formação do tártaro, pode-se dizer que a substância pode igualmente proteger contra o tártaro. Tanto a cárie como o tártaro podem causar a perda dos dentes.

Como o flúor dental atua?

Ele age de 2 formas: no próprio agente, que é o dente, e nas bactérias, que são as vilãs que prejudicam o agente. A seguir, veja como isso ocorre!

Atuação do Flúor nos dentes

Ele atua na ação de inibir a desmineralização do esmalte dental, que é a perda de cálcio e minerais. Ao mesmo tempo, age para aumentar a remineralização, que é o processo de reparar as perdas. Ambos acontecem na boca naturalmente, cada vez que comemos algo que modifica o PH tornando-o mais ácido ocorre a primeira, e a própria saliva atua na reparação através da remineralização.

Mas o flúor presente na saliva não é suficiente para atuar nas bactérias cariogênicas com tanta eficácia sem a sua utilização extra. O esmalte vai ficando mais fraco à medida que a remineralização não é suficiente para proteger o dente. Assim o flúor dental previne futuros desgastes causados por bactérias que formam as placas.

Um dente mais mineralizado é considerado mais duro, mais resistente e com mais esmalte. Enquanto o dente mais desgastado e fraco é considerado mais mole. Além disso, o flúor odontológico também ajuda a fechar os poros, auxiliando a amenizar as dores de quem tem dentes sensíveis.

Atuação do Flúor nas bactérias

A substância também tem efeito antimicrobiano e antienzimático, matando bactérias ou impedindo que elas se proliferem. Ele pode inibir o processo em que as bactérias aumentam a acidez da boca. A acidade é responsável pelo aumento do PH na boca, ajudando a provocar a corrosão do dente.

Utilizar produtos fluoretados como cremes, enxaguantes ou bochechos com água fluoretada faz aumentar a concentração de flúor de 100 a 1000 vezes. Este elemento dura cerca de 1 a 2 horas na saliva para ser usado na remineralização. Ele atua mais fortemente quando ocorre a desmineralização, não sendo muito aumentado quando o dente já está mineralizado.

Complemento para limpeza

É necessário escovar os dentes pelo menos 3 vezes ao dia, nas principais refeições, ou sempre que comer alimentos mais abrasivos. Além da escovação com pasta dental é importante também incorporar outras formas de limpeza nos dentes para auxiliar na luta contra as cáries. Por exemplo, utilizar fio dental auxilia na remoção de alimentos que a escova não alcança e diminui a fonte de alimentação das bactérias e placas.

Os enxaguantes bucais também são bem vindos, eles podem ser usados depois da escovação como um complemento de flúor para os dentes. Mas este produto não substitui a pasta dental e nem o fio dental, eles devem ser utilizados em conjunto.

Sempre lembrando que o que sustenta as bactérias são os alimentos, sobretudo os ricos em açúcar. Portanto, após comer, principalmente este tipo de alimento, é recomendável realizar a escovação. Principalmente antes de dormir, pois é um período muito longo que as bactérias dispõem para atuar na formação de placas e cáries.

Quais são os tipos de tratamento com o flúor dental?

Algumas pessoas com mais propensão a ter cáries podem recorrer a tratamentos com flúor odontológico, visando deixar os dentes mais duros e protegidos. Eles consistem em aplicar uma alta dosagem da substância na clínica dentária.

Pode ser feito por gel com o método de aplicação tópica, ou seja, direto no dente. São utilizadas moldeiras ajustáveis com a utilização do produto em seu interior. Elas devem ficar na boca por cerca de 2 a 4 minutos.

O tratamento também pode ser feito em forma de verniz ou espuma fluoretados na clínica odontológica. Esse método é mais recomendado para pessoas com dificuldade de ficar o tempo necessário para aplicação do gel, como crianças e jovens.

Depois da aplicação é necessário ficar pelo menos 30 minutos sem ingerir alimentos. A quantidade de aplicações e o tempo entre elas varia para cada pessoa e o dentista vai determinar de acordo com as características e necessidades de cada um.

Existem ainda os suplementos de flúor odontológico, encontrados no comércio, normalmente em forma líquida. Devem ser recomendados por dentistas depois de uma avaliação, nunca tome medicamentos sem orientação. Eles vão atuar nos dentes e também nos ossos e organismo em geral.

Posso fazer aplicação de flúor dental em casa?

É possível encontrar produtos para aplicação de flúor odontológico no comércio e internet, mas não é recomendável fazer aplicação caseira. Isso porque o dentista possui formação e conhecimento para fazer o procedimento de maneira segura.

Além disso, você não vai ter informações suficientes para saber se a aplicação é recomendada para você. E também não vai saber se o produto vendido é realmente de qualidade e vem de um fornecedor confiável.

Como saber se preciso de tratamento com flúor dental?

Esses tratamentos odontológicos não são indicados para todos. Estudos sugerem que alta dosagem de flúor pode não fazer bem ao organismo, portanto se você não tem dentes mais frágeis, ou pode resolver seu problema com cárie de outra forma, não há necessidade de realizar o procedimento.

O que define o risco cariogênico de uma pessoa?

O risco de uma pessoa ter mais ou menos propensão a desenvolver cáries pode ser medido por diversos fatores. A presença de cáries ou quantidade de restaurações irão indicar o nível de risco. Veja alguns motivos que podem aumentar essa predisposição cariogênica:

  • falta de cuidados corretos ou ausência de periodicidade na limpeza;
  • algumas pessoas podem apresentar defeito no esmalte, que pode ser avaliado por um profissional. O uso de certos medicamentos ou a aplicação de radioterapia também pode atuar no enfraquecimento dos dentes;
  • algumas pessoas podem apresentar diminuição salivar por diversos motivos. Essa condição pode diminuir a proteção dentária já que a saliva atua na proteção e remineralização dos dentes;
  • dieta alimentar ou desordens alimentares também podem ser um fator de risco para a formação das cáries.

O flúor dental pode ser prejudicial?

A substância pode ser prejudicial apenas se for utilizada em alta dosagem. Por isso é importante realizar os tratamentos com auxílio de profissionais. Estudos indicam que a dose segura que a substância pode ser ingerida em um dia é de 0,05 a 0,07 mg por kilo da pessoa.

O principal malefício que a substância pode causar é a fluorose. Ela causa estrias, manchas brancas e descoloração nos dentes. É possível também ocorrer alergia ou irritação na pele, mas essa condição é bastante rara.

Para saber se você está consumindo flúor em excesso é preciso saber qual a quantidade está presente na água da sua cidade, nos seus produtos de limpeza e se você costuma ingerir alimentos com flúor.

Como a alimentação e os hábitos atuam nas cáries?

Além da higienização dos dentes é preciso estar atento aos tipos de alimentos que consumimos. Alguns podem ser mais prejudiciais e outros podem ser aliados na luta contra as cáries.

Alimentos que aumentam o risco de cáries

Você não precisa deixar de consumir alimentos, mas deve ficar atento para a limpeza dos dentes após o consumo. Veja quais alimentos são mais prejudiciais:

  • açucar é o ingrediente que mais causa cáries. Ele pode ser encontrado em diversos alimentos, dentre eles estão os doces em geral, bolos, chocolate, biscoitos;
  • bebidas também podem conter açúcar, como café, sucos ou chá. O refrigerante além de ser adoçado, possui diversos ingredientes nocivos que causam erosão dentária;
  • bebida alcoólica também não faz bem para os dentes, pois é ácida, além de diminuir a produção de saliva.
  • alimentos ricos em amidos se grudam facilmente nos dentes aumentado a placa e podem causar cáries. Como exemplo está pizza, batata frita e salgadinhos;
  • frutas como banana, uva passa e outras secas, que podem se grudar facilmente no dente e possuem açúcar, também têm grande probabilidade de causar cárie;
  • frutas ácidas como limão, laranja, tomate e uva também oferecem maior risco de cáries, principalmente se consumidas sozinhas, sem o acompanhamento de pão ou iogurte, por exemplo.

Alimentos que podem ser benéficos para os dentes

Alguns alimentos podem ser aliados na limpeza, proteção e saúde dos dentes, como:

  • queijo, leite sem lactose e iogurte sem açúcar podem fortalecer os dentes por possuirem cálcio e fósforo. Brócolis e amêndoas também são exemplo de alimentos ricos em cálcio;
  • frutas e vegetais que possuem água, vitaminas, minerais e fibras estimulam a saliva e auxiliam na limpeza, principalmente quando ingeridos crus. Como exemplo a cenoura e a maçã;
  • cereais por serem ricos em fibra estimulam a salivação e por isso a limpeza. Além disso, são ricos em vitaminas do complexo B que ajudam a saúde da gengiva. Como exemplo, temos o arroz integral e o farelo de trigo;
  • frutas duras como a maçã e nozes auxiliam na remoção da placa por causarem fricção durante a mastigação. A maçã ainda tem vitamina A que auxilia na constituição dos ossos. E a noz ajuda a fortificar os dentes por conter magnésio.

Alimentos que possuem flúor

Nosso organismo possui uma quantidade de flúor, utilizado de várias formas pelo organismo, como nos dentes e ossos. A saliva, como foi dito, possui essa substância que atua na proteção do esmalte, apesar de muitas vezes não ser o suficiente e ser necessário incluir o elemento na limpeza diária.

As fontes naturais de flúor normalmente vêm da alimentação. Alguns alimentos que possuem a substância são: beterraba, agrião, espinafre, feijão, gema de ovo e couve. Mas a quantidade da substância obtida na absorção dos alimentos é baixa.

Hábitos que podem ajudar a proliferação de cáries

Além da alimentação, alguns hábitos também podem prejudicar o esmalte dos dentes e ajudar no aumento das cáries. Dentre eles estão:

  • uso exagerado de clareadores dentais sem o acompanhamento de um profissional. Eles podem desgastar o esmalte e prejudicar a proteção dos dentes;
  • fumo pode causar perda óssea e retração gengival, que podem ajudar a formação da cárie;
  • cuidado com a escova também pode fazer diferença. Você não deve guardá-la molhada em lugar fechado. Isso porque se torna um meio ideal para proliferação de fungos e bactérias que depois irão parar na sua boca.
  • não beber água com frequência é um hábito ruim, pois ela ajuda na salivação e limpeza da boca.

Como escolher a pasta de dente em relação ao flúor?

O creme dental pode ter inúmeros ingredientes que atuam de várias formas para o tratamento de diversos problemas dentários, como gengivite, tártaro e outros. Porém, a maioria possui flúor dental em sua composição, pois ele é básico, atua em todos os problemas e pode ser combinado com os outros itens da composição.

Existem algumas pastas sem flúor no comércio em razão de casos específicos. Por exemplo, algumas pessoas podem ter alergia ao componente. Para alguns problemas de saúde como o baixo nível de iodo no sangue também é indicado não utilizar muito flúor, já que estes dois componentes competem na absorção pelo organismo. Mas são casos raros relacionados a condições de saúde especiais.

A quantidade de flúor odontológico recomendada para uma pasta de dentes é de 1000 a 1500 ppm. Os produtos devem ter esta informação no rótulo. É sempre bom lembrar que deve-se evitar ingerir o creme durante a escovação.

O flúor dental pode ser utilizado em crianças?

A utilização do flúor é benéfica tanto para os dentes de leite tanto quanto para os permanentes. Alguns pais têm receio em utilizar a substância porque ouvem falar que pode fazer mal.

Esse mito sobre os malefícios do componente surgiu por causa da fluorose (manchas brancas, amarelas ou amarronzadas nos dentes). Quando o flúor começou a ser utilizado não se tinha conhecimento que seu excesso poderia ser prejudicial, e na época foi utilizado indiscriminadamente.

Em seguida a doença foi descoberta, por isso alguns começaram a tratar a substância como algo ruim. Mas como os estudos sempre continuam e seus benefícios foram comprovados, com o tempo chegou-se à quantidade ideal de ingestão do produto para evitar malefícios.

O flúor deve ser usado com moderação em crianças

Acontece que as crianças foram as mais atingidas pelo surgimento da doença (fluorose), já que o limite que elas podem utilizar é menor que os adultos, o que só foi descoberto depois. Em razão disso começaram a ser produzidas pastas de dente especiais para esse público.

Fazer as crianças escovarem os dentes nem sempre é uma tarefa fácil, por isso algumas pastas têm gostinho agradável. Porém, corre-se o risco dos pequenos ingerirem o produto, portanto o cuidado e olhar atento dos pais é importante. Não é necessário colocar muito creme na escova, pouca quantidade já é o suficiente para realizar a limpeza com eficiência.

Algumas crianças com mais dificuldade de realizar a escovação, ou que moram em regiões sem água fluoretada, podem fazer tratamento com flúor. Mas sempre deve ser avaliada por um profissional para saber se é realmente necessário.

Em qual a idade a criança já pode utilizar flúor?

Na primeira infância, quando começam a surgir os dentinhos, o flúor já é benéfico para evitar cáries. De acordo com a Associação Dental Americana (American dental Association), referência em estudos na área, desde essa fase já é permitido o uso da substância. Apenas é preciso ter alguns cuidados.

A criança muito pequena pode ainda não saber cuspir a pasta e isso faz ela ingerir o produto, o que não é recomendado. Portanto, é necessário colocar menos pasta na escova. A quantidade de pasta para crianças menores de 3 anos é de mais ou menos o tamanho de um grão de arroz. Para os maiores, que já conseguem cuspir sem problemas, pode-se colocar o tamanho de um grão de ervilha.

A partir dos 6 anos pode ser incorporado o enxaguante bucal para complementar a fortificação dos dentes. Tratamentos com flúor no consultório também podem ser realizados se o ortodontista achar necessário. Neste caso é recomendado os pais consultarem um profissional especializado em ortopediatria.

Pode utilizar flúor dental durante a gestação?

A gestante precisa manter a limpeza diária com a pasta normalmente utilizada e os mesmos procedimentos de limpeza de antes da gestação. Apenas tratamentos e suplementos com flúor odontológico não são indicados durante a gravidez.

Cuidar da saúde bucal e evitar cáries pode ser trivial para algumas pessoas, mas é fundamental para manter, não só a boca, mas também o corpo saudável. A prova disso é a utilização da prática de fluoretação por diversos países e tantos investimentos em pesquisas na área.

Apesar da polêmica em relação ao flúor dental, sua importância é comprovada em vários estudos confiáveis. Dessa forma, ter informações corretas e bem embasadas é importante para fazer boas escolhas para você e sua família.

Se quiser saber mais sobre os cuidados dentários, leia nossos artigos, e viva bem informado e com saúde!

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agende sua avaliação

Materiais Grátis

Posts relacionados

Inscreva-se para receber novidades

O que você procura?
Últimas publicações
Feridas no céu da boca? Leia o post para saber o que pode ser, quais são as principais causas e o que fazer!
Dente infeccionado ou inflamado? O que fazer se o dente estiver inflamado? Leia o post e tire suas dúvidas!
Piercing no smile é aquele que aparece quando a pessoa sorri, mas será que ele faz mal para os dentes? Tire suas dúvidas!