Dentes tortos e encavalados: conheça os possíveis tratamentos

Dentes tortos e encavalados podem ser tratados em qualquer faixa etária, principalmente com o uso de aparelhos ortodônticos

Problemas ortodônticos, como dentes tortos e encavalados, não são raros de acontecer. Na verdade, essa é uma condição bastante comum e pode ser percebida logo na infância, quando os dentes de leite começam a ser substituídos pelos permanentes. A estética do sorriso é muito prejudicada, podendo abalar a autoestima, mas essa não é a única consequência negativa.

Quando os dentes nascem desalinhados, as arcadas dentárias também não se encaixam como deveriam, o que pode trazer diversos problemas, como mastigação inadequada e maior suscetibilidade para doenças bucais. Por essas e outras razões, dentes tortos e encavalados precisam de tratamento, e hoje em dia ele se tornou muito mais acessível.

Você sabe como esse tipo de problema ortodôntico é tratado? É o que vamos responder neste artigo. Continue lendo e descubra também as causas do problema, principais complicações que podem ocorrer e soluções para alinhar seus dentes e ter um sorriso perfeito!

O que são dentes encavalados?

Os dentes encavalados são aqueles que crescem sobrepondo uns aos outros. Em vez de nascerem cada um no seu espaço, ocupam o lugar que seria de outro dente. Esse problema também é chamado de apinhamento dentário ou dentes entramelados.

Podemos ver, por exemplo, o dente encavalado na frente. Em vez de um ficar ao lado do outro pode haver um recuo, ou então a presa nasce muito alta, na gengiva. É um problema ortodôntico que costuma acontecer na região estética do sorriso. 

Qual é a diferença entre  dentes encavalados e dentes tortos?

Dentes tortos e encavalados não podem ser considerados o mesmo problema, mas é comum que essas condições se manifestem de maneira associada.

A pessoa tem um dente torto quando ele nasce em uma posição diferente dos demais. O ideal é que todos os dentes formem uma fila em arco, porém, alguns cressem desalinhados, um pouco mais à frente ou atrás, ou com giros, provocando uma assimetria na arcada dentária.

Assim, um dente pode ser torto, mas estar no seu devido lugar, sem encavalar. Os dentes entramelados ou apinhados, por sua vez, não ocupam apenas o seu lugar, como a gente explicou. Nesse problema, ocorrem sobreposições, dando a impressão de que os dentes estão “amontoados” na boca.

Eles não formam aquela linha perfeita, mas cada um pode ocupar uma posição diferente, fazendo uma verdadeira bagunça na arcada dentária, que deixa o sorriso assimétrico.

O que causa essa disfunção?

Diversos aspectos deixam os dentes tortos e encavalados. Essa condição pode acompanhar a pessoa desde o nascimento ou se manifestar devido a fatores externos, como alguns hábitos. Veja a seguir algumas causas dos dentes entramelados.

Falta de espaço

Algumas pessoas têm um padrão bucal menor do que o necessário para que todos os dentes consigam nascer na posição certa. Com a falta espaço na arcada dentária, os dentes precisam se espremer, digamos assim, e uns acabam ocupando o lugar de outros.

Fatores genéticos

O fator genético também interfere no desenvolvimento dos dentes. Por isso, o apinhamento dentário pode ser uma herança familiar, que já está no DNA do indivíduo, então, não pode ser evitado.

Traumas ou lesões

Essa condição ocorre devido a acidentes que afetam a região da boca. A lesão em si e o processo de cicatrização podem provocar alterações na anatomia da face e, com isso, prejudicar a dentição.

Alguns hábitos

Chupar chupeta durante muito tempo, assim como mamar na mamadeira ou chupar o dedo, afeta de maneira significativa a arcada dentária. Quando esses hábitos se prolongam, eles geram uma sobrecarga nos dentes e ossos, prejudicando o desenvolvimento e, por consequência, o nascimento dos dentes.

Existem ainda outras possíveis causas para os dentes tortos e encavalados, como a reabsorção da raiz do dente, o bruxismo e a respiração bucal. Assim, esse pode ser um problema congênito ou adquirido, e pessoas de qualquer idade estão suscetíveis, embora seja mais comum iniciar na fase de crescimento.

Quais são as principais consequências?

Assim como outros problemas ortodônticos, os dentes tortos e encavalados trazem alterações que podem variar na intensidade, dependendo da gravidade do problema. Algumas pessoas têm apinhamentos sutis, com um ou outro dente entramelado, mas também existem casos complexos com diversas ocorrências na arcada. A seguir, conheça as principais consequências que essa condição pode trazer.

Mastigação inadequada

Cada dente tem na arcada oposta outro dente com o qual faz par durante a mastigação. Ou seja, os dentes da arcada inferior fazem duplas com os dentes da arcada superior para ser possível cortar e macerar os alimentos. Eles trabalham em equipe, cada qual com sua função.

Além disso, você já deve ter percebido que os dentes apresentam algumas irregularidades, como partes mais baixas ou altas, ondas e outras características. Isso não ocorre à toa. Essas irregularidades são fundamentais para que os alimentos possam ser mastigados, e elas entram em ação quando os dentes das arcadas se encontram. Se existem apinhamentos, eles não se encaixam da forma correta e a mastigação se torna inadequada ou insuficiente.

Quem tem dentes tortos e encavalados, geralmente também apresenta alterações na mordida. Nesse caso, são as arcadas dentárias que não se encaixam da maneira adequada. Essa condição agrava o problema, prejudicando ainda mais processo mastigatório.

Isso gera preocupação porque os alimentos precisam chegar bem mastigados ao sistema digestivo para que o organismo consiga aproveitar seus nutrientes. Também para não ocorrerem desconfortos, como a indigestão.

Disfunções na ATM

As articulações temporomandibulares (ATMs) são fundamentais para conseguirmos movimentar a mandíbula. Elas são estruturas complexas porque permitem mexermos a boca em diferentes direções. Então, todas as vezes que movimentamos a boca, seja para falar, comer, bocejar ou qualquer outro, essa articulação entra em ação.

Como os dentes tortos e encavalados não se encaixam da maneira adequada, a articulação temporomandibular pode sofrer danos por se movimentar de maneira inadequada. Com o passar do tempo, ela se desgasta e desenvolve as DTM (disfunções temporomandibulares), problemas que geram dores e desconfortos significativos na face e cabeça, podendo se estender para o pescoço, os ombros e a coluna.

Suscetibilidade para doenças bucais

Os resíduos de alimento que se acumulam nos dentes favorecem a formação da placa bacteriana, e ela é uma das grandes causadoras de diversas doenças bucais. Eles ficam acumulados em especial nos cantos, desníveis e outras pequenas regiões que a escova não alcança.

Os dentes tortos e encavalados favorecem a acumulação de restos de alimentos por causa da configuração da arcada dentária. Ao mesmo tempo, há uma dificuldade maior para higienizar por causa dessas irregularidades, que dificultam a ação das cerdas da escova. Por isso, é um problema ortodôntico que aumenta a suscetibilidade para cáries, tártaro, gengivite e periodontite.

Impactos estéticos

Não podemos esquecer, é claro, que os dentes tortos e encavalados também afetam a aparência da pessoa. O sorriso fica assimétrico, com aspecto de descuido, e isso pode levar à insatisfação consigo mesmo e problemas de autoestima.

Porém, as consequências podem ser ainda maiores, já que hoje em dia a aparência é muito considerada no meio social e profissional. Então, além de evitar a insatisfação com a própria imagem, tratar os problemas ortodônticos é importante para prevenir casos de bullying e aumentar as chances de sucesso no mercado de trabalho.

Quais são os mitos sobre dentes tortos e encavalados?

É comum que a cultura popular ou a falta de conhecimento sobre determinado tema gere informações equivocadas. Esse tipo de desinformação também levou à formação de alguns mitos sobre os dentes tortos e encavalados, mas que precisam ser esclarecidos. Um deles é com relação ao dente do siso. Há quem acredite que o nascimento do terceiro molar é o que provoca o apinhamento dos demais dentes, mas isso não está totalmente certo.

Quando existe espaço suficiente na arcada, os dentes sisos podem nascer sem qualquer problema. Muitas pessoas têm esses quatro dentes perfeitamente formados e sem nenhuma consequência negativa para o restante da arcada. Entretanto, caso não haja espaço, pode acontecer desalinhamentos para conseguir ocupar o seu lugar.

Outro mito que talvez você já tenha ouvido é sobre o ronco. Ter dentes tortos e encavalados não tem uma relação direta com o fato de a pessoa roncar. Essa condição acontece quando a passagem do ar pela garganta fica muito estreita, ou existe flacidez nos tecidos. Assim, quando o ar passa por ali, produz o ruído.

De toda forma, alterações anatômicas nos ossos podem gerar problemas ortodônticos, inclusive fazendo com que a pessoa respire pela boca ao dormir. Quando isso acontece, pode haver também um mau posicionamento da língua que, por sua vez, leva ao ronco, mas não necessariamente porque os dentes estão tortos e encavalados.

Quais são os tratamento para dentes tortos e encavalados?

A principal forma de tratamento para os dentes tortos e encavalados é o uso de aparelho ortodôntico. O dispositivo é instalado com o objetivo de fazer pressão nos dentes para que eles ocupem o lugar adequado na arcada. O modo como esse procedimento será conduzido varia, dependendo da complexidade de cada caso, e também de como as movimentações devem ser realizadas.

Uso de expansores palatais

Como geralmente falta espaço na boca para os dentes crescerem, muitas vezes o tratamento ortodôntico desses casos se inicia com o uso do expansor palatal. Esse tipo de aparelho ortodôntico tem a função de expandir o palato (céu da boca) para gerar mais espaço para os dentes se posicionarem.

Pode ser mais fácil fazer esse tipo de tratamento em crianças e adolescentes porque nessas faixas etárias os tecidos estão em fase de crescimento, o que ajuda na melhor resposta orgânica.

Uso de aparelhos ortodônticos

Hoje em dia existem várias opções de aparelho ortodôntico para tratar desde os casos sutis até os mais complexos. São dispositivos fixos ou móveis, indicados conforme a necessidade do paciente. Entre as alternativas, temos:

  • aparelho tradicional: esse é o dispositivo fixo metálico, aquele mais popular;
  • aparelho estético: é parecido com o tradicional, mas com a diferença de ser confeccionado em um material com tonalidade parecida com a do esmalte dentário. Os bráquetes podem ser confeccionados em policarbonato, porcelana ou safira;
  • aparelho autoligado: aqui existem duas opções: temos o aparelho autoligável metálico e o estético. A diferença em relação aos outros dispositivos é que esse tipo de aparelho dispensa o uso das borrachinhas porque o arco ortodôntico é encaixado no próprio bráquete;
  • alinhador invisível: é uma grande tendência do momento. O alinhador invisível se parece com uma moldeira de clareamento dentário. É fabricado sob medida em material transparente, que se encaixa como uma capa na arcada dentária. Fica bem discreto e pode ser retirado da boca pelo paciente.

Você pode conversar com o dentista e explicar para ele que tipo de aparelho ortodôntico gostaria de usar, mas o profissional sempre vai recomendar as opções que atenderem melhor ao seu caso.

Alguns pacientes podem precisar de procedimentos complementares para alcançar os melhores resultados. É o caso, por exemplo, de fazer um mini implante para favorecer as movimentações dentárias, ou então extrair dentes, seja para liberar espaço ou para remover aqueles em excesso. Afinal, existem pessoas que têm mais dentes do que o normal, e isso pode levar aos apinhamentos também.

Por que fazer a correção dos dentes apinhados?

Você viu que os dentes tortos e encavalados podem trazer diversas consequências para a saúde bucal e para a qualidade de vida. Por isso é tão importante fazer a correção desse problema ortodôntico.

Ainda que a questão estética não incomode, em longo prazo, os dentes apinhados podem afetar outras estruturas da face, desencadeando problemas ainda maiores. Assim, é interessante fazer a correção quanto antes, de preferência ainda na infância e na adolescência, quando o organismo consegue responder melhor aos estímulos por causa da fase de crescimento.

De toda forma, na idade adulta também é possível tratar esses problemas, inclusive encurtando a duração do tratamento. Isso porque tecnologias, como a do aparelho autoligado, podem fazer com que as movimentações aconteçam mais rápido.

Os adultos não precisam nem mesmo se preocupar com o impacto que o aparelho pode causar na imagem, já que têm a opção de pedir para o dentista ajudar a escolher o aparelho estético ideal. Assim, é possível fazer a correção de maneira mais confortável, sem ficar com a aparência infantilizada. O mais importante é buscar tratamento, não importa em qual idade, para evitar as consequências.

Como você pôde verificar, ter dentes tortos e encavalados pode trazer diversas consequências prejudiciais à saúde e autoestima. Contudo, graças aos avanços da tecnologia, esse problema pode ser contornado, de acordo com as suas necessidades, seja com aparelho tradicional ou de última geração, como o invisível.

Gostou deste artigo e quer saber mais? Então, aproveite para conferir um guia completo sobre aparelhos ortodônticos e aprenda tudo sobre o assunto!

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agende sua avaliação

Materiais Grátis

Posts relacionados

Inscreva-se para receber novidades

O que você procura?
Últimas publicações
O atestado odontológico é válido para abonar faltas? Quantos dias? E horas? Esclareça suas dúvidas nesse post!
Feridas no céu da boca? Leia o post para saber o que pode ser, quais são as principais causas e o que fazer!
Dente infeccionado ou inflamado? O que fazer se o dente estiver inflamado? Leia o post e tire suas dúvidas!