Tudo que você precisa saber sobre o dente siso

Dúvidas são comuns nos debates que envolvem o dente do siso, e vamos esclarecer as mais importantes para você!

O cuidado com a saúde bucal atrai o interesse de muitas pessoas por afetar o bem-estar físico e a autoestima. Nas discussões sobre o tema, sempre surgem perguntas relacionadas ao dente do siso, que também é conhecido como dente do juízo por aparecer durante a transição para a vida adulta.

Há quem diga que sua presença se faz necessária, ao passo que opiniões contrárias reforçam a importância de fazer a extração quanto antes. Afinal de contas, existem certezas quando se trata dos terceiros molares? É o que você vai descobrir no conteúdo que preparamos sobre o assunto.

Continue a leitura para tirar suas principais dúvidas e guardar boas informações sobre os dentes do siso!

Qual é a função do dente siso?

O dente do siso fica posicionado no fundo da boca e, assim como os demais, atua na mastigação para reduzir a comida em pequenos pedaços antes de chegar ao estômago. Podemos dizer que não há uma função exclusiva aos terceiros molares, o que justifica sua retirada em determinados casos.

Eles são popularmente conhecidos como dentes do juízo pelo fato de serem os últimos a nascer. A erupção costuma ocorrer no fim da adolescência, por volta dos 16 aos 21 anos, aumentando a quantidade de dentes visíveis na boca. O aparecimento tardio mostra que essas estruturas, muitas vezes, não fazem falta na vida do paciente.

A ausência, inclusive, pode ser explicada pela Lei do Uso e Desuso. Tanto é que, atualmente, nem todas as pessoas apresentam o número esperado de sisos. Normalmente, os dentistas encontram 4 unidades: duas ficam na parte superior e duas na parte inferior, sendo 1 dente em cada extremidade da arcada dentária.

O exame radiológico permite descobrir a falta ou existência de todos antes mesmo de esses tecidos irromperem na cavidade oral. Quando desponta, o dente siso pode causar duas situações. A esperada é que ele encontre espaço suficiente para se encaixar na mandíbula ou no maxilar, permanecendo ali sem causar problemas.

Outro cenário possível é o dente despontar e acabar mal posicionado por conta de área limitada. Quem tem os ossos da face menores, por exemplo, pode sentir desconforto com a pressão causada pelos sisos. Com essa interferência, a pessoa corre o risco de comprometer a estética bucal e até desenvolver infecções.

Quais sinais indicam o início da erupção?

Em situações normais, o dente siso nasce de forma progressiva e não causa nenhum sintoma perceptível ou preocupante. Porém, existem casos em que esse processo vem acompanhado de efeitos desagradáveis, geralmente devido a uma passagem apertada da nova estrutura entre a gengiva.

É para prevenir incômodos desse tipo que muitos dentistas recomendam a extração do dente antes de sua completa erupção. Em todo caso, sempre busque a opinião de um especialista de confiança para tirar dúvidas e definir a melhor abordagem. Veja abaixo os principais sinais de que a saída do siso está próxima.

Dores

O desconforto no fundo da boca é um dos sintomas clássicos de nascimento dos dentes do juízo. Você percebe a parte de trás do maxilar ou da mandíbula ficando mais sensível e dolorida, já que a gengiva começa a se romper. É preciso muito cuidado com a higienização nesse período para evitar acúmulo de bactérias no local machucado.

Em alguns casos, a dor também pode se estender para outras regiões, como a garganta e a cabeça, promovendo um estado febril. Isso porque a arcada dentária está ligada a vários nervos e músculos da face e do pescoço.

Inflamação

Trata-se de um processo fisiológico esperado durante a erupção do dente siso, pois significa que o organismo está ativando suas defesas contra danos em algum tecido. O problema é que a inflamação pode acontecer em diferentes níveis, causando desde simples vermelhidão local até inchaço ao redor da gengiva.

Quando os sintomas forem mais intensos, o profissional responsável pelos cuidados poderá receitar medicamentos com ação anti-inflamatória. Em todo caso, é crucial observar a região para identificar qualquer mudança no aspecto da boca.

Dificuldade para mastigar

Por conta dos efeitos anteriores, é comum que a mastigação e até mesmo a ingestão de bebidas fiquem prejudicadas. Até o momento, a cavidade oral apresentava uma configuração fixa e passou a receber novas estruturas. A erupção dolorida deixa tudo mais difícil, desde a alimentação até o ato de falar.

O siso que nasce um pouco mais inclinado, em direção à bochecha, também pode gerar lesões devido ao atrito contra o tecido mole da boca. Casos como esses devem ser avaliados o quanto antes para que não afetem o apetite e a nutrição adequada do paciente.

Movimentação dos dentes

Esse sintoma ocorre quando o dente do siso não encontra espaço suficiente para irromper. Como resultado, ele fica retido no osso e pode seguir a direção errada, empurrando outros dentes da arcada dentária. Dá para imaginar quão problemático isso se torna, certo?

As consequências envolvem dor e sensação de dentes moles ou soltos. Um siso incluso também pode destruir ou reabsorver a raiz dos dentes próximos, além de causar desalinhamento do sorriso. É uma situação que exige atuação rápida de um profissional da Odontologia para evitar problemas estéticos e de saúde.

Quando é preciso extrair esses dentes?

Cada paciente tem uma experiência única, e isso deve ser considerado na decisão de manter ou retirar os sisos. Somente um dentista consegue avaliar a condição dos dentes e indicar tratamentos, por isso, é fundamental agendar consultas frequentes para receber o diagnóstico correto.

As principais recomendações para extração acontecem quando o dente do siso produz os sintomas já citados: dor local, inflamação, movimentações na arcada e dificuldade na mordida (incluindo mastigação e deglutição). A radiografia ajuda a identificar outros sinais de alerta, como desalinhamento dos molares e falta de espaço.

Alterações no posicionamento e no ângulo de saída merecem atenção porque podem resultar em siso deitado, ferimentos e sorriso torto. Com a retirada, os desconfortos são amenizados, e o quadro é facilmente revertido para que não comprometa o bem-estar e a autoestima do paciente.

Em geral, indica-se a extração dos sisos bem na fase em que costumam despontar: entre os 16 e os 21 anos. O motivo está no fato de que, nessa idade, a raiz dos dentes ainda não está totalmente formada. O desenvolvimento limitado reduz o risco de incômodos e as complicações durante a cirurgia de retirada.

O procedimento de extração ocorre em clínica odontológica e dura, em média, 30 minutos. Vale dizer que ele pode ser solicitado mesmo nos casos em que o paciente não apresenta nenhum problema grave. Um bom exemplo é quando a pessoa precisa colocar aparelho e quer reduzir a chance de interferências após o tratamento.

Como ocorre a extração dos sisos?

A remoção dos terceiros molares é feita com anestesia local, e seu grau de complexidade varia de acordo com o posicionamento do dente. Em geral, trata-se de uma cirurgia tranquila, que envolve incisão nas gengivas para retirar o siso — se ele estiver totalmente incluso, é comum a retirada de parte do osso que o recobre.

O exame anterior ao procedimento é feito com doses seguras de radiação e serve para coletar imagens que indiquem o tamanho e demais características do dente siso. É com base nesse material que o dentista vai planejar as demais etapas e conduzir sua equipe.

Após a extração do dente, o profissional faz uma sutura e informa todos os cuidados necessários para uma recuperação eficaz. Isso envolve, por exemplo, o consumo de alimentos líquidos ou pastosos e um reforço na higiene bucal. Como a região estará sensível, porém, deve-se evitar pressão excessiva com fio dental ou escova de dentes.

O dentista também vai receitar medicamentos que ajudam na cicatrização e recomendar bastante repouso. Esse tempo de pausa evita queda na imunidade e agiliza a retomada das atividades. Não se preocupe se tiver um pouco de dor e inchaço, principalmente se esses desconfortos forem limitados aos primeiros dias de pós-operatório.

Qualquer mudança brusca nos sintomas deve ser informada ao profissional responsável. Condições como febre e sangramentos demandam observação constante para que não se agravem. Ou seja, o retorno ao dentista deve ser feito na data indicada e, se necessário, incluir contatos para atendimento a distância.

Quais são os principais mitos e verdades sobre o dente do siso?

Todo assunto gera questionamentos e forma opiniões, o que inclui a área da Odontologia; tanto que a maioria das pessoas já ouviu algum conselho com foco nos sisos. Para saber o que é real ou falso nesse universo, nada melhor que conversar com um profissional que estudou e se preparou para atuar no atendimento em clínica odontológica.

Quer matar a curiosidade antes de consultar o seu dentista? Veja algumas informações importantes.

Todos os sisos precisam ser retirados?

Mito. Nem sempre há necessidade de remover todos os sisos presentes na cavidade oral. Se apenas um representa risco ao paciente, não há motivos para extrair os demais. Ficou claro, ainda, que a retirada não é recomendada para todas as pessoas, pois cada caso tem suas particularidades.

Podemos dizer, no entanto, que a maioria dos indivíduos se beneficia com a extração de dentes do juízo, principalmente quando o procedimento é realizado bem cedo. Cabe a cada pessoa discutir a possibilidade com o dentista, levantando os prós e contras dessa decisão.

É preciso esperar a erupção para retirar?

Mito. Como dissemos, existem duas formas básicas de fazer a cirurgia: quando o dente já saiu por completo ou quando ainda está dentro da gengiva (incluso). Assim, esteja ele visível, total ou parcialmente preso, o siso pode ser retirado com segurança para melhorar a qualidade de vida do paciente.

Como todos os tratamentos odontológicos, a extração envolve uma análise detalhada de vários fatores para que ocorra de modo personalizado. Isso significa que a condição do dente siso determina o tipo e a duração da cirurgia, bem como os cuidados no pós-operatório.

A extração tardia envolve mais complicações?

Verdade. Depois dos 30, a estrutura do osso fica mais dura e as raízes dos dentes já estão completamente formadas. Isso faz com que o processo de retirada fique mais difícil e, muitas vezes, complexo para os dentistas. Também há que considerar os problemas causados antes da remoção dos sisos.

Uma pessoa que convive com os terceiros molares por anos pode sentir diversos desconfortos, como citamos. Ela fica mais suscetível a desenvolver infecções por conta da dificuldade para limpar a área posterior da arcada dentária. O monitoramento da região deve ser constante para que não apresente acúmulo de bactérias.

Os sisos podem abrigar conjuntos de células-tronco?

Verdade. Essa informação é bem interessante para quem se interessa em novidades e tendências do campo da saúde. Então, sim, a polpa dentária dos sisos pode conter células-tronco em altas quantidades — elas são responsáveis por construir várias estruturas e órgãos do corpo humano.

É possível capturar e armazenar essas células para, posteriormente, empregá-las na regeneração de tecidos e no tratamento de diversas doenças. O procedimento de coleta ocorre em clínicas especializadas, logo após a extração dos dentes.

O dente do siso está sujeito a cárie antes mesmo de nascer?

Mito. Os terceiros molares só ficam desprotegidos após o início do processo de erupção. Nesse momento, por menor que seja a superfície exposta, o contato com micro-organismos passa a ser constante. O resultado você já imagina: as cáries podem aparecer se não houver uma boa higiene.

Enquanto os dentes permanecem completamente cobertos pela gengiva, não há perigo. A confusão pode ocorrer quando alguém apresenta lesões no tecido que cobre o siso. Nesses casos, se o ferimento evoluir para uma infecção, o siso também pode ser atingido.

São muitos os mitos e verdades acerca do dente siso, e esperamos ter esclarecido boa parte deles para que você não tenha mais dúvidas ao pensar nas particularidades dos terceiros molares. O mais importante é compartilhar dados verdadeiros com quem gosta de estar sempre por dentro de informações sobre saúde.

E, aproveitando o assunto, continue conosco e saiba como funciona o pós-operatório do dente siso!

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 Comentários

  • Meu filho tem 24 ano está com um dente furado o dentista recomendou extrair e pô um aparelho para junta já que ele ainda tem os sisos. É correto, por favor me responda

  • Nunca tirei os meus! Tenho eles há mais de 16 anos e nunca me incomodaram! Os dentistas são doidos pra fazer essa cirurgia em mim, mas sempre fui contra.

Agende sua avaliação

Materiais Grátis

Posts relacionados

Inscreva-se para receber novidades

O que você procura?
Últimas publicações
O atestado odontológico é válido para abonar faltas? Quantos dias? E horas? Esclareça suas dúvidas nesse post!
Feridas no céu da boca? Leia o post para saber o que pode ser, quais são as principais causas e o que fazer!
Dente infeccionado ou inflamado? O que fazer se o dente estiver inflamado? Leia o post e tire suas dúvidas!