Saúde bucal do idoso: veja cuidados com os dentes na terceira idade

18 minutos para ler

Pessoas de todas as faixas etárias desenvolvem problemas bucais, por isso, cuidados e medidas preventivas devem ser adotados ao longo de toda a vida. O problema é que não são raros casos de negligência com a saúde bucal do idoso.

Nessa fase existe uma propensão ainda maior para o desenvolvimento de doenças na boca, então, os cuidados precisam ser redobrados. Muitas vezes é necessário a atenção da família e de um cuidador quando a pessoa idosa não tem mais habilidade para cuidar dos seus dentes sozinha.

Existem ainda situações mais específicas que exigem ações diferentes daquelas comumente adotadas e foi pensando em todos esses detalhes que nós preparamos este artigo. Ele compõe um guia de como cuidar da saúde bucal do idoso em diferentes situações, para garantir um sorriso saudável e bonito. Acompanhe!

Entenda a importância dos cuidados bucais no idoso

É verdade que conforme o organismo envelhece existe uma tendência maior para a perda de dentes e o desenvolvimento de doenças e problemas bucais. Mas isso não significa que essas condições vão acontecer com todas as pessoas. Quando são adotados os devidos cuidados com a saúde bucal do idoso, é perfeitamente possível ter dentes bonitos e saudáveis.

Quanto antes os cuidados forem adotados, melhor. Como explicamos na introdução, conforme o tempo passa é preciso manter uma atenção ainda maior porque o processo de envelhecimento favorece a manifestação de alguns problemas e doenças.

Quando falamos sobre esses cuidados, é importante entender que eles não impactam apenas a cavidade bucal. Seus benefícios se estendem para a saúde orgânica e o bem-estar do idoso, ou seja, influenciam a qualidade de vida de modo geral.

Saúde bucal

Os cuidados adotados impactam de forma direta os dentes e tecidos da boca do idoso. Com as práticas e ações certas evitamos a proliferação de bactérias, prevenindo diversas doenças como cárie, inflamações e infecções.

Outro reflexo positivo é a prevenção da perda de dentes, um problema que também é bastante comum na terceira idade. Geralmente isso está relacionado com quadros inflamatórios nos tecidos periodontais, ou pode ser decorrente de cáries muito extensas.

Saúde orgânica

Os cuidados com a saúde bucal do idoso refletem na saúde orgânica por diversas razões. Uma delas é o fato de que as bactérias que se proliferam na boca podem migrar para a corrente sanguínea e atingir outros órgãos. A endocardite, por exemplo, uma inflamação do músculo cardíaco, pode ser provocada por bactérias provenientes de doenças bucais.

Não podemos esquecer que os dentes são fundamentais para a maceração adequada dos alimentos, garantindo uma melhor absorção dos nutrientes que eles contêm. Sendo assim, a falta de dentes pode afetar a nutrição do idoso, reduzindo sua imunidade e agravando outras doenças.

Autoestima

Não são apenas pessoas jovens que precisam apreciar a própria imagem. Os idosos também devem estar satisfeitos com a sua aparência, e isso impacta seu bem-estar e qualidade de vida, interferindo nas relações familiares e sociais.

Estar bem consigo mesmo é importante para o idoso se manter mais ativo, e um incentivo para sua autonomia e independência. Além disso, afeta o equilíbrio da sua saúde mental, uma vez que a insatisfação pode levar a quadros de depressão, por exemplo.

Conheça as principais doenças que acometem a boca dos idosos

Como explicamos, doenças e problemas bucais podem afetar a boca de pessoas de todas as idades, mas existem algumas condições que ocorrem com mais frequência em idosos. Isso acontece por causa da suscetibilidade do seu organismo e os fatores aos quais esse grupo está mais exposto.

Veja a seguir as doenças que costumam se manifestar com frequência durante a terceira idade.

Xerostomia

Também conhecida como hipossalivação, a xerostomia não é necessariamente uma doença, mas um distúrbio que acomete a cavidade bucal. Se caracteriza por uma redução ou interrupção na produção de saliva, deixando a boca seca.

Esse problema pode ser causado por disfunções nas glândulas salivares, cálculos, alguns medicamentos e a desidratação do organismo, já que pessoas idosas têm uma percepção diferente de sede e costumam negligenciar a ingestão de água.

A xerostomia abala a saúde bucal do idoso porque a saliva é um fluido muito importante para garantir a hidratação da mucosa, mantendo a sua proteção natural contra doenças. Também é a saliva que participa do processo de mineralização dos dentes, além de ser fundamental para dar início ao processo digestivo dos alimentos.

Gengivite

Das doenças na gengiva, a gengivite é a mais comum. Consiste em uma inflamação que atinge esse tecido por causa da proliferação excessiva de bactérias. Esse problema é desencadeado pelo acúmulo de placa bacteriana e/ou a presença de tártaro (cálculo dental).

O sistema imunológico inicia uma reação na tentativa de combater o problema, com isso, desencadeando diversos sintomas característicos, como sangramentos e inchaço. Pode se manifestar tanto em apenas uma região da boca como em toda a extensão da gengiva.

É válido ressaltar que pessoas com diabetes têm uma suscetibilidade maior para o desenvolvimento de gengivite. Isso acontece porque o excesso de glicose na corrente sanguínea prejudica a microcirculação favorecendo os processos inflamatórios.

Cárie

A cárie é a principal doença que afeta os dentes de pessoas de todas as idades, sendo uma ameaça também para a saúde bucal do idoso. Nessa faixa etária costuma ser bastante recorrente, podendo levar à perda do elemento dentário.

Consiste em uma lesão que se inicia na superfície do esmalte do dente por causa dos ácidos liberados por bactérias, que se alimentam de resíduos de alimentos. Eles causam a degradação do esmalte levando à perda de minerais.

Vários fatores podem aumentar a suscetibilidade do idoso para o desenvolvimento de cárie. A higiene bucal é o principal deles, mas isso está relacionado com a desmineralização do esmalte, é favorecido pela xerostomia e por uma alimentação desequilibrada.

Candidíase

Essa doença é provocada pelo fungo Candida albicans, encontrado naturalmente na mucosa bucal. Porém, devido à alguns fatores, como a higienização inadequada, ele se prolifera excessivamente desencadeando sintomas, como feridas, dor, ardência e formação de placas esbranquiçadas.

A cândida geralmente acomete idosos que recebem tratamento prolongado com antibióticos, também naqueles que usam aparelhos de inalação, os portadores de diabetes ou que estão com o sistema imunológico comprometido.

Câncer de boca

Embora possa acometer pessoas de todas as idades, é mais comum que o câncer de boca ocorra em indivíduos idosos. Ele pode se manifestar em diferentes partes, como gengiva, lábios, língua, ossos e demais estruturas que compõem a região da cavidade bucal.

É mais recorrente em pessoas fumantes e que consomem excessivamente bebidas alcoólicas. A radiação solar é mais um fator de risco, assim como o descuido com a higiene oral, e ainda, uso de próteses mal adaptadas que causam lesões constantes na mucosa.

Leucoplasia

Essa doença bucal se caracteriza pela formação de manchas com a tonalidade branca ou acinzentada em diferentes partes da boca, que podem ser o interior das bochechas, as gengivas e a língua.

É uma condição muito comum em idosos que usam próteses mal ajustadas para a anatomia da sua boca, mas ocorre também por causa da deficiência imune, a posição inadequada de dentes que fazem atrito na mucosa, dentes quebrados e o tabagismo.

Geralmente a leucoplasia origina manchas inofensivas, que podem regredir sozinhas quando o fator que desencadeou é eliminado. Porém, essa doença também pode ser uma precursora do câncer de boca, daí a importância da avaliação com dentista e, se necessário, a remoção cirúrgica das manchas.

Veja quais são os principais cuidados com a higiene bucal dos idosos

Como você viu, diversas doenças que abalam a saúde bucal do idoso são desencadeados por micro-organismos. Eles se proliferam principalmente quando a higiene bucal não é realizada do jeito certo, criando um ambiente perfeito para a sua colonização.

É por isso que existem alguns cuidados gerais que devem ser adotados na terceira idade. São as recomendações feitas pelos dentistas para pessoas de todas as faixas etárias, mas, conforme dito, os idosos requerem um cuidado especial. 

Lembrando que muitas vezes cabe à família verificar se o idoso está de fato conseguindo cuidar dos seus dentes. Isso porque problemas motores se manifestam com o avanço da idade, e podem tornar a higienização ineficiente.

Oferecer suporte para essas pessoas, ou contratar um cuidador, é muito importante para que os idosos consigam manter uma higiene adequada. Veja a seguir quais são os cuidados básicos que não podem faltar.

Escovação dentária

A regra básica para ter dentes saudáveis é fazer a escovação todos os dias. O ideal é que ela seja realizada após cada refeição e sempre que comer ou beber alguma coisa. Afinal, o contato dos dentes com os alimentos inicia a formação da placa bacteriana.

De um modo geral, é recomendada a utilização de uma escova de dente com cerdas macias para não gerar muito atrito no esmalte dentário, nem ferir as gengivas. Tufos mais densos são interessantes porque aumentam a área de contato das cerdas.

Prefira as escovas com cabeças pequenas arredondadas ou triangulares, para ficar mais fácil alcançar os dentes posicionados ao fundo da boca. Escolha aquelas com cabo anatômico e antiderrapante, para dar mais firmeza aos movimentos.

No caso dos idosos que têm alguma dificuldade motora, pode ser interessante optar pela escova de dente elétrica. Com ela não é necessário realizar os movimentos, apenas posicionar o dispositivo na arcada e passar por todos os dentes.

Quanto ao creme dental, é importante que ele seja enriquecido com flúor para garantir a mineralização dos dentes e aumentar a sua resistência às cáries. Evite os produtos branqueadores porque são muito abrasivos, causando atrito excessivo no esmalte e provocando sensibilidade.

Higienização da língua

A língua também mantém contato direto com os alimentos, sendo ela que faz a movimentação deles de um lado para outro da boca durante a mastigação. Por isso, os resíduos se depositam sobre ela, então, devemos fazer sua escovação.

A limpeza da língua pode ser realizada com a mesma escova utilizada para os dentes. Os movimentos precisam partir do fundo para a ponta, como se estivesse varrendo. Desse modo, os resíduos são puxados para fora, não empurrados para a garganta.

O limpador de língua é um dispositivo muito bem-vindo e que pode ajudar o idoso nessa etapa da higienização bucal. Ele é fácil de manusear, bastando apenas apoiar sobre a língua e puxar para fora da boca.

Limpeza com fio ou fita dental

Uma vez por dia é importante usar o fio dental para que a limpeza fique realmente completa. Mesmo as melhores escovas não conseguem alcançar algumas regiões da dentição, e o fio é o que vai garantir que todos os resíduos e a placa bacteriana entre os dentes sejam eliminados.

Lembrando que ele precisa ser usado com delicadeza para não provocar ferimentos nas gengivas. Também é importante que seja utilizada uma porção limpa para cada vão de dente que será higienizado.

Como existem diferentes tipos de fio dental no mercado, o ideal é escolher aquele que mais atende às necessidades de cada pessoa. Algumas têm dentes mais próximos, outras, mais separados, então, escolha o produto que traga conforto na hora de usar.

Reconheça os cuidados necessários em casos específicos

Nos tópicos anteriores você conferiu cuidados gerais com a saúde bucal do idoso, mas é verdade que existem alguns casos específicos que exigem abordagens diferentes. É isso que acontece, por exemplo, com indivíduos que perderam todos os dentes, têm sensibilidade ou usam próteses. Veja a seguir como agir em cada um desses casos.

Boca sem dentes

Idosos edêntulos, ou seja, que perderam todos os dentes, também precisam de cuidados com sua saúde bucal. Nesse caso, a higienização não pode ser feita usando a escova, já que ela poderia ferir a gengiva.

A limpeza, portanto, pode ser iniciada com bochechos com água para remover o excesso de resíduos. Em seguida, deve ser utilizada uma gaze embebida em solução antisséptica e com o próprio dedo higienizar toda a região gengival. A língua também precisa de atenção.

Dentes sensíveis

Pessoas com dentes sensíveis podem utilizar uma escova extra ou ultra macia, específica para quem tem sensibilidade. Ela promove uma higiene ainda mais delicada, evitando desconfortos e o agravamento dessa condição.

Existem cremes dentais específicos para limpeza de dentes sensíveis. Eles podem prevenir os desconfortos que ocorrem durante a ingestão de alimentos e bebidas, ou contribuir com a remineralização do esmalte dentário, a fim de minimizar a sensibilidade.

O ideal é que o dentista seja consultado nesses casos, uma vez que cada pessoa apresenta uma necessidade distinta. O profissional vai indicar a melhor escova e creme dental, a fim de controlar os sintomas e evitar danos ainda maiores para os dentes.

Manutenção e higiene com a prótese

O cuidado com a saúde bucal do idoso que usa próteses fixas, como a protocolo, que é presa a implantes, deve ser realizado da mesma forma como para pessoas com dentes naturais. Para a limpeza, basta usar a escova e o creme dental, finalizando com o fio.

Já no caso das pessoas que usam próteses removíveis, os dispositivos são higienizados fora da boca. Nos indivíduos edêntulos a limpeza é feita conforme instruímos no tópico anterior, para aqueles que têm dentes remanescentes, a higienização com a escova deve ser realizada neles.

A limpeza da prótese dentária também é feita utilizando a escova de dente e o creme dental. Em alguns casos o dentista pode recomendar cerdas mais densas, a fim de promover uma higienização mais eficiente do dispositivo.

Uma vez por semana é importante fazer a imersão da prótese em uma solução de água e hipoclorito de sódio, para eliminar bactérias. Porém, consulte, o dentista para que ele forneça informações mais precisas e de acordo com o dispositivo usado.

Adote cuidados além da higiene bucal

Não há como negar que uma boa higiene é indispensável para garantir o cuidado com a saúde bucal do idoso, no entanto, essa não é a única medida que precisa ser adotada. Outros fatores também influenciam esse equilíbrio, daí a importância da atenção com eles.

Os hábitos adotados no dia a dia podem favorecer ou prejudicar a dentição, assim, mais do que escovar os dentes e usar o fio, é preciso rever esses hábitos e fazer adequações quando eles podem causar abalos para a saúde. Veja a seguir quais outras medidas são indispensáveis para garantir dentes bonitos e saudáveis na terceira idade.

Hidratação orgânica

Você se lembra que falamos da xerostomia, problema que afeta a produção da saliva e deixa a boca seca? Conforme explicamos, essa condição pode ser causada pela desidratação do organismo, então, é muito importante que os idosos bebam bastante água para garantir um bom fluxo salivar.

A ingestão adequada de água promove uma boa qualidade para a saliva, evitando a concentração excessiva de sais minerais. Isso poderia levar à formação de cálculos, ou seja, de pedras, assim como acontece nos rins, e elas também obstruem a passagem da saliva.

Alimentação saudável

Uma alimentação nutritiva e balanceada é fundamental para o equilíbrio da saúde de todo o organismo. Com o avanço da idade é comum que a quantidade de alimento ingerida reduza, assim, é ainda mais importante garantir que as refeições tenham um bom teor nutricional.

Isso também vai favorecer a dentição, aliás, existem alguns alimentos que ajudam a saúde bucal por causa das substâncias que contêm. É o que acontece com o leite e seus derivados, que fornecem cálcio para os dentes.

No caso das folhas verde-escuras, elas contêm ácido oxálico, que vai contribuir com a absorção do cálcio. As frutas cítricas, como laranja e acerola, contêm vitamina C, que mantém a gengiva saudável por estimular a produção de colágeno.

Existem, ainda, os alimentos mais fibrosos, como a maçã e a cenoura que, quando mastigados, ajudam a fazer uma limpeza nos dentes. Eles eliminam uma boa parte dos resíduos que se depositam sobre o esmalte.

De toda forma, o ideal é que a dieta seja balanceada para cada pessoa porque é preciso considerar as suas necessidades nutricionais. Alguns idosos precisam de um cardápio especial por causa de doenças sistêmicas, como o diabetes e hipertensão, ou por carências nutricionais.

Abandono do cigarro

O hábito de fumar é muito prejudicial para qualquer pessoa, mas quando se trata dos idosos seus prejuízos são ainda maiores. Isso se dá em função do processo de envelhecimento, que por si só deixa o organismo mais suscetível para doenças.

As toxinas presentes no cigarro favorecem inflamações, dificultam a cicatrização, deixam a boca seca e aumentam significativamente os riscos de desenvolver câncer de boca, além de outras doenças orgânicas e diferentes tipos de cânceres em vários órgãos.

Equilíbrio da saúde orgânica

Explicamos que o diabetes favorece as inflamações na gengiva, mas outras doenças orgânicas também podem abalar a saúde dos dentes. É o que acontece com a osteoporose, que afeta os ossos que sustentam a dentição.

Sendo assim, é fundamental fazer o acompanhamento médico e administrar corretamente os medicamentos que foram indicados por ele, para garantir que a saúde do organismo esteja em equilíbrio. Com isso, prevenimos os problemas bucais.

Entenda a importância da consulta odontológica

Sabia que assim que o bebê nasce ele já precisa iniciar o acompanhamento odontológico? O dentista é um profissional que vê a pessoa crescer e dá suporte nas diferentes fases da sua vida, prolongando esse atendimento até a terceira idade.

O equilíbrio da saúde bucal do idoso depende das consultas odontológicas, e elas precisam acontecer periodicamente conforme a recomendação do especialista. Cada pessoa tem uma necessidade, por isso, nem sempre é válida a recomendação a cada 6 meses, uma vez que pode ser preciso antecipar essas visitas.

Em alguns casos isso se dá em função do uso de próteses que precisam de manutenção, implantes ou mesmo uma condição orgânica específica que aumenta a suscetibilidade para o desenvolvimento de doenças na boca.

O dentista vai acompanhar se os cuidados caseiros estão sendo realizados corretamente, ou se existe a necessidade de fazer alguma adequação. Ele faz uma investigação completa para identificar os sinais mais sutis de problemas e agir antes que se tornem grandes complicações.

Fazer o acompanhamento periódico com esse profissional evita a necessidade de recorrer à emergência odontológica, já que os problemas são tratados logo no começo. Dessa forma, também não é preciso recorrer a procedimentos complexos.

Contar com um dentista de confiança, portanto, é indispensável para o cuidado com a saúde bucal do idoso. Associando as intervenções desse profissional às medidas adotadas em casa, é possível manter todos os dentes bonitos e saudáveis na terceira idade.

A perda de dentes também é um problema comum na terceira idade, mas que pode ser facilmente solucionada com os implantes. Confira neste e-book os diferentes tipos que existem.

agendamento
Posts relacionados

Deixe um comentário