Saiba como é feita a cirurgia de implante dentário

8 minutos para ler
Implantes: para resgatar a alegria de sorrir naturalmente

A cirurgia de implante dentário requer um bom planejamento, feito por um profissional experiente, para garantir os melhores resultados estéticos e funcionais

A cirurgia de implante dentário está se tornando cada vez mais popular porque esse é um tratamento definitivo para substituir dentes perdidos, e os seus resultados funcionais e estéticos têm uma alta qualidade.

Muitas pessoas ainda têm medo de fazer o tratamento por ser uma especialidade que utiliza cirurgia. Mas hoje em dia existem muitos recursos tecnológicos que garantem segurança e total conforto para o paciente.

Para acabar de vez com esses medos, conversamos com dois especialistas no assunto. Ricardo Moreno de Carvalho, especialista em implantodontia e franqueado Odontoclinic, e Moisés da Silva Suzart, também franqueado Odontoclinic e pós-graduando em implante e cirurgia bucal, contribuíram com informações para criarmos este artigo.

Nele apresentamos o que acontece antes da cirurgia, quais são as etapas dela, se o paciente sente dor, os cuidados pós-operatórios e muito mais. Acompanha e fique por dentro do assunto!

Antes da cirurgia, o que é analisado?

A cirurgia de implante dentário também requer uma avaliação prévia, como qualquer outro procedimento cirúrgico. Essa fase pré-operatória é essencial para que o especialista faça uma avaliação da saúde bucal e orgânica do paciente, para garantir a segurança dele e o sucesso do tratamento.

“Fazemos um diagnóstico e planejamento do paciente, com exame clínico, de imagem (radiografias e tomografias), a avaliação física, com a anamnese, um questionário para avaliar a saúde. Também exames laboratoriais, avaliação cardiológica e o planejamento da cirurgia”, explica Moisés.

Segundo Ricardo, é preciso avaliar e analisar se o paciente não tem nenhum tipo de problema periodontal, cáries ou infecções. Se esses quadros forem diagnosticados, antes da cirurgia, é preciso fazer o seu tratamento deles para não ter complicações.

Como saber se é preciso fazer o enxerto ósseo?

Além de investigar a saúde geral, Ricardo conta que a fase pré-operatória contribui para verificar as condições ósseas do paciente. É preciso que ele tenha uma boa quantidade e qualidade de osso para fazer a sustentação do pino do implante.

Quando ocorre a perda de um ou mais dentes, com o passar do tempo, os tecidos que o mantinham fixo na boca são reabsorvidos pelo organismo. Eles vão perdendo altura e espessura, inclusive o osso. Se ele ficar pequeno demais, digamos assim, não oferece uma base de boa qualidade para fixação do pino.

A análise é feita por meio de exames de imagem, como as radiografias e as tomografias. “Caso seja constatado na tomografia que não existe remanescente ósseo suficiente, temos que lançar mão dos enxertos ósseos”, Ricardo explica.

cirurgia de implante dentário

Como identificar o tipo ideal de implante?

Outro detalhe que precisa ser considerado nesse tratamento é que existem diferentes tipos de implante. Eles são indicados conforme a extensão da perda dentária e a necessidade do paciente. Moisés explica como são classificados.

“Os implantes dentários são classificados em implantes unitários, quando substitui um dente só. Os implantes parciais, quando há a substituição de uma parte da arcada, e totais, como o protocolo, que faz a substituição de todos os dentes da arcada”.

Entre os unitários existe o implante com carga imediata. Nele, a prótese é instalada no mesmo dia em que o pino é fixado. De toda forma, o melhor tipo de implante é escolhido pelo especialista junto com o paciente.

É preciso considerar as características de cada um dos tipos, para definir qual deles atende melhor ao caso do paciente. Isso vale também para possíveis limitações na hora de fazer a higienização, do quanto se pretende investir, entre outros detalhes.

Quais são as etapas da cirurgia de implante?

“A reabilitação com implantes obedece basicamente duas fases. A fase cirúrgica, na qual fazemos a instalação dos pinos de implante, que farão a função da raiz do dente; e a fase protética, quando moldamos e instalamos a prótese sobre os implantes”, esclarece Ricardo. A seguir, apresentamos com mais detalhes cada uma dessas fases.

Primeira fase

Acontece assim que o implantodontista termina a avaliação do paciente e define que é possível prosseguir com o tratamento. É feita uma pequena abertura na gengiva para expor o osso onde o pino de implante dentário será fixado. O implantodontista utiliza uma broca específica para abrir o canal onde ele será posicionado.

Em seguida, ele fecha a gengiva para esperar o tempo de osseointegração que, segundo Ricardo, requer cerca de 3 a 4 meses para acontecer. No caso de quem fez o enxerto ósseo, pode chegar a 6 meses.

O período de osseointegração é aquele em que o osso vai se regenerar e envolver o pino do implante. É dessa forma que ele fica preso na boca e não se solta. Porém, não é preciso esperar no caso dos implantes com carga imediata. Nessa técnica, a fase protética acontece no mesmo dia.

Segunda fase

A segunda etapa, portanto, é a protética. Como explicamos, quando é feito o implante de carga imediata ela já acontece imediatamente após a cirurgia de fixação do pino. Quando é feito o implante convencional, essa fase ocorre depois que o pino estiver osseointegrado.

É realizada uma nova cirurgia, agora mais simples. O implantodontista faz a reabertura da gengiva para expor o implante e instalar do elemento pré-protético. Ele faz a ligação entre o pino e a prótese, ou seja, o dente artificial, que também pode ser instalado nesse momento.

Esse tipo de cirurgia dói?

Saber quais são os mitos e verdades sobre implante dentário é muito importante para esclarecer informações como essa. Muita gente acredita que, por ser uma cirurgia, esse tratamento provocador. Mas isso não é verdade.

Segundo Moisés, todo o tratamento é feito com muita cautela e cuidado, e o planejamento serve para garantir a segurança do paciente, seu conforto e mais agilidade. Além disso, a implantodontia evoluiu bastante, assim como os protocolos adotados, conforme o especialista esclarece.

“A tecnologia de implante e instrumentais geram procedimentos mais rápidos e confortáveis ao paciente. Trabalhamos com protocolo de medicação, que começa a ser tomada algumas horas antes do procedimento, ou seja, isso também dá um conforto e uma recuperação no pós-operatório mais rápida”.

Quais são os cuidados pós-operatórios?

É importante ressaltar que o sucesso da cirurgia de implante depende do bom trabalho realizado pelo profissional e da colaboração do paciente. Por isso, você precisa fazer o tratamento em uma boa clínica com implantodontistas experientes. Assim, será feito um bom pré-operatório e planejamento, além da execução correta das técnicas.

Em seguida, é a vez do paciente seguir as orientações, adotando todos os cuidados pós-operatórios para que a cicatrização e a osseointegração aconteçam sem complicações. Não podemos esquecer que se trata de uma cirurgia, portanto, passível a inflamação ou infecção.

Ricardo conta que nas primeiras 24 horas após a cirurgia de implante é recomendado adotar uma alimentação gelada, ingerindo, por exemplo, vitaminas, iogurte, sorvete e açaí. Isso porque as baixas temperaturas ajudam a acalmar os tecidos operados, trazendo uma sensação de conforto maior, redução da dor e prevenção de inflamações.

Depois, deve-se dar preferência para alimentos líquidos ou pastosos. Eles não requerem os movimentos de mastigação, o que evita pressão no local operado. Assim, favorecemos a cicatrização dos tecidos e evitamos possíveis movimentações no pino do implante, que atrapalham a osseointegração.

O especialista também fará outras recomendações, como:

  • não tocar o local operado;
  • falar pouco nos primeiros dias;
  • evitar dormir sobre o lado operado;
  • evitar movimentos de sucção;
  • não fazer bochechos intensos;
  • caprichar na higienização bucal.

Parece muita coisa, mas não tem erro. Moisés conta que o paciente já sai do consultório com todas as recomendações sobre cuidados, higiene, repouso, alimentação e outros detalhes. Basta seguir o que o profissional indicou.

Também será preciso fazer as consultas de retorno, como para a retirada de pontos, o que, segundo Ricardo, acontece cerca de 7 a 10 dias depois da cirurgia. Além disso, em caso de dúvida ou qualquer problema, você pode entrar em contato com o implantodontista e pedir orientações.

Esse também é um motivo para fazer a cirurgia de implante em uma clínica com boa estrutura e profissionais capacitados. Assim, vai receber todo o suporte antes, durante e depois do procedimento, para garantir o máximo conforto, uma excelente recuperação e os melhores resultados.

Gostou de saber mais sobre a cirurgia de implante dentário? Então, assine a nossa newsletter porque assim podemos enviar informações sobre outros temas interessantes para o seu e-mail!

agendamento
Posts relacionados

Deixe um comentário